Energia + Limpa tem muitas mulheres integrando a programação

A programação do 9º Seminário Energia + Limpa, que será realizado nos dias 4 e 5 de junho, na FIESC, em Florianópolis-SC, conta com muitas mulheres este ano, uma novidade em um meio predominantemente masculino.

Diana Gonçalves Lunardi, responsável pelo Plano de Gestão de Logística Sustentável da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, e doutora em Psicobiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, apresentará o case da Usina Solar da UFERSA, que receberá o Selo Solar de número 100, o primeiro concedido a uma instituição de ensino superior.

Paula Scheidt, gestora de projetos da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável  por meio da GIZ, participará do debate sobre cooperativas para a geração de energia limpa. Representando a ANEEL, com a palestra “Regulamentação da Geração Distribuída no Brasil – Avanços e Desafios”, contaremos com Djane Melo, engenheira eletricista e especialista em Regulação.

Natasha Costa, Gerente de Meio Ambiente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK-RJ), debuta em nosso Seminário fazendo a mediação de duas mesas, uma delas ao lado de Taynara Mighelão, prata da casa, consultora do programa América do Sol e responsável pela realização do Estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica – edição 2018”, que será lançado nesta oportunidade.


SERVIÇO
O quê: 9º Seminário Energia + Limpa
Quando/Onde: 4 e 5/6, na FIESC, em Florianópolis, auditório Milton Fett
Gratuito, sem necessidade de inscrições prévias
Programação e mais informações: http://institutoideal.org/seminario/ 

Proposta da primeira usina solar municipal do país é apresentada em Imbituba

Instalar uma usina que possa suprir o consumo de energia de Imbituba (SC) de forma sustentável. Essa ideia foi apresentada pelo Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (Instituto IDEAL) e pela Prefeitura Municipal de Imbituba em um seminário realizado na sexta-feira, 6 de abril, no auditório da Câmara de Vereadores do Município, que estava lotado.

A ideia de implementar uma usina solar em Imbituba teve início em 2017. Na época, o presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos, conheceu a escola José Vanderlei Mayer, conhecida como CAIC. Devido a características como boa insolação e um amplo telhado sem sombreamento, Passos sugeriu ao prefeito Rosenvaldo da Silva Júnior que fossem instalados painéis solares nos telhados do colégio para gerar energia para a cidade. A unidade educacional passa por reformas, com orçamento da ordem de R$ 1,5 milhão. A previsão é de que as obras terminem até o fim do ano.

O seminário foi o momento de apresentar a ideia à comunidade. O prefeito, na abertura do encontro, ressaltou a importância do tema e mostrou entusiasmo. “Quando se fala em cuidar do meio ambiente, não adianta pensar apenas em cuidar da Amazônia, em coisas que estão distantes. Temos que cuidar do que é nosso. Temos que promover o uso de energia sustentável no município, cuidar das nossas águas, do tratamento do nosso esgoto. Dessa forma, vamos dar nossa contribuição como cidadãos e como município para esta questão global”, afirmou.

A arquiteta e pesquisadora do Grupo Fotovoltaica-UFSC, Clarissa Debiazi Zomer, realizou a palestra ‘Energia Solar Fotovoltaica & Arquitetura: Integração Ideal para Geração Energética em Centros Urbanos’. A pesquisadora falou tanto de aspectos científicos como econômicos. “A energia solar é a que mais vem crescendo ao longo dos anos, de forma exponencial. O que tem contribuído para isso? O aumento da tarifa de energia elétrica convencional; a redução do custo da energia solar, que se tornou viável; e a preocupação das pessoas e da sociedade em geral para minimizar os impactos do consumo energético”.

O presidente do Instituo IDEAL, Mauro Passos, falou mais especificamente sobre a ideia. “Eu tenho certeza de que este projeto de Imbituba vai ser uma referência para outras cidades e outros Estados. Porque ele é óbvio. Você está tirando despesas do município e incorporando patrimônio. E se a gente vai verificar, fazendo uma conta superficial, o custo de instalação vai ser muito próximo das despesas de energia. Ou seja, estamos agregando patrimônio ao município sem onerá-lo”.

No fim do evento, o Instituto IDEAL e a prefeitura assinaram um Termo de Parceria. O próximo passo é iniciar os estudos para a implementação da usina.

Programação 2018 já está disponível

A programação preliminar do 9° Seminário Energia + Limpa já está disponível e, como em todas as edições, traz novidades e aperfeiçoamentos, buscando sempre uma melhor experiência do participante. Como em todos os anos, o evento é gratuito, sem necessidade de pré-inscrição e ocorrerá nos dias 4 e 5 de junho, em consonância com o mês mundial do meio ambiente.

Este ano, além da mobilidade elétrica e do cooperativismo para a geração de energia limpa, a proposta é aproximar o interessado das experiências exitosas sustentáveis de consumidores, empresas e instituições, por meio da apresentação de cases, tendo como Norte na escolha deles, os certificados com o Selo Solar, iniciativa do IDEAL com apoio da CCEE e do WWF-Brasil. Outra novidade é o lançamento do Prêmio América do Sol e, pela primeira vez no Seminário, da edição integral do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica”, o primeiro realizado no país, há cinco anos, e o único com o apoio institucional da ANEEL.

Entre as instituições confirmadas está a Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ, a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), o WWF-Brasil, a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha no Rio de Janeiro (AHK-RJ) e a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) representada pelo seu Reitor, o professor José Arimatea Matos e pela professora Diana Gonçalves Lunardi, que na oportunidade, receberão o 100° Selo Solar entregue pelo IDEAL. Confira todas as informações a respeito do Seminário aqui  e saiba como apoiar sua realização acessando o plano de patrocínio disponível neste link.

Presidente do IDEAL entrega Selo Solar a escola estadual do RS

O presidente do IDEAL, Mauro Passos, entregou o Selo Solar à Escola Estadual de Ensino Médio José Luchese, de Lagoa Bonita do Sul (RS), na última quarta-feira (21/02), em cerimônia no Palácio Piratini, em Porto Alegre, com a presença, entre outras autoridades, do governador do Estado, José Ivo Sartori e do Secretário Estadual de Educação, Ronald Krummenauer. A escola está localizada na região Centro Serra do Vale do Rio Pardo e é a primeira escola pública do Brasil a receber a certificação. Lá foram instalados 25 painéis solares que produzem, em média, 80% da necessidade mensal da instituição de ensino. “A sensação que tenho em um evento como este é de que a semente foi plantada e a ideia está incorporada”, disse Passos referindo-se à implementação da energia solar fotovoltaica.

A aquisição do sistema foi possível graças aos programas da Japan Tobacco International (JTI) chamados “Nossas Comunidades Rurais” e “Alcançando a Redução do Trabalho Infantil pelo suporte à Educação (ARISE)” por meio do programa do Governo do Estado “Escola Melhor: Sociedade Melhor”. O ARISE é desenvolvido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), pela ONG Winrock Internacional (WI) e pela JTI, visando contribuir para a erradicação do trabalho infantil nas lavouras de tabaco da região em que atua. Com a economia na conta da luz foi possível contratar uma professora para atender permanentemente os alunos em oficinas de música que acontecem no contraturno escolar.

O Selo Solar é uma iniciativa do Instituto IDEAL com apoio do WWF-Brasil e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da GIZ e KfW.

IDEAL concede Selos Solares a autoprodutores de quatro estados

O Instituto IDEAL concedeu Selos Solares nesta semana para cidades de quatro estados diferentes: Mossoró, no Rio Grande do Norte; Maceió, em Alagoas; Rio Bonito, no Rio de Janeiro; e Frederico Westphalen, no Rio Grande do Sul.

A arquiteta Izabel Maria Montenegro Diniz Macedo, de Mossoró (RN), possui um sistema de 5,30 kWp instalado em seu escritório desde maio do ano passado. Este foi o primeiro Selo Solar concedido para o Rio Grande do Norte.

A Construções Ipanema, de Maceió (AL), recebeu o certificado por ter um sistema de 16,9 kWp instalado em sua sede desde janeiro de 2017. Por ter uma potência alta, parte da energia gerada é usada em outras três unidades: uma filial e duas residências.

Outras duas residências receberam o Selo: a de Aldo Sorensen Ghisolfi, em Frederico Westphalen (RS), que possui um sistema de 3,64 kWp instalado desde abril de 2017; e a de Lucia Fátima Gonçalves Mendes Dornellas, em Rio Bonito (RJ), com um sistema com capacidade de 8,20 kWp, instalado desde julho do ano passado.

O Selo Solar é uma iniciativa do Instituto IDEAL com apoio do WWF-Brasil e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da GIZ e KfW.

Indústria no RS produz cuias com energia do sol

Fábrica Cuias Jadi, de Frederico Westphalen (RS), produz cuias com o uso de energia solar e espera um retorno de investimento em cinco anos.

As cuias de chimarrão da fábrica Cuias Jadi, de Frederico Westphalen (RS), são comercializadas principalmente no Sul do Brasil, mas também são vendidas no exterior, em países como Argentina, Estados Unidos, Canadá e Alemanha. E, desde outubro de 2017, os produtos possuem um diferencial: o Selo Solar. “É um reconhecimento do nosso trabalho que chega inclusive a outros países. Estamos muito contentes”, afirmou Valéria Ciocari Trevisol, proprietária da empresa junto com o marido Jadir Trevisol.

O fato de produzir sua própria energia, de forma sustentável, e, assim, ter um diferencial comercial, foi um dos motivos que levou os proprietários a investir na energia solar. Mas o que mais pesou mesmo foi a possibilidade de retorno econômico, mais uma prova de que os custos para a implementação desta forma de energia estão caindo.

Segundo Valéria, a empresa tinha capital de giro para investir na tecnologia, mas optou por manter estes recursos em caixa e fazer um financiamento no banco Sicredi. Tudo foi intermediado pela Marsol Energia, uma empresa da cidade. “O custo inicial era alto, mas vimos que teria retorno com o tempo e decidimos investir. Estávamos visualizando o futuro”, contou.

O custo do sistema, com potência de 9,1 kWp, foi de R$ 62 mil, financiado em três anos. A conta de energia, que era de cerca de 800 a 1000 reais por mês, passou para aproximadamente 140, 200 reais. “Teremos o retorno em cinco anos. E, como o sistema tem uma vida útil de no mínimo 25 anos, teremos pelo menos 20 anos de lucro pela frente”, avaliou Valéria.

O Selo Solar é uma iniciativa do Instituto IDEAL com apoio do WWF-Brasil e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da GIZ e KfW.

IDEAL concede o 90º Selo Solar

O Instituto IDEAL atingiu uma marca importante em 2017: concedeu o 90º Selo Solar. O certificado foi entregue nesta semana para Pedro Paulo Martins, de Santo Amaro da Imperatriz, Santa Catarina, que possui um sistema fotovoltaico de 4,77 KWp instalado desde janeiro de 2017. Somando as potências dos módulos das residências, comércios, indústrias e iniciativas socioambientais que receberam o Selo, chega-se ao valor aproximado de 1,717 MWp.

O Selo Solar é uma iniciativa do Instituto IDEAL com apoio do WWF-Brasil e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da GIZ e KfW. Foi criado para dar visibilidade à energia fotovoltaica. “O Selo Solar está, cada vez mais, cumprindo seu papel de reconhecer o uso pelos consumidores desta energia limpa e sustentável que vem do sol”, afirmou Mauro Passos, presidente do Instituto IDEAL.

O certificado é concedido para pessoas físicas (residências) e jurídicas (comércios e indústrias). As residências somam 39 Selos em várias regiões do país. Já o número de certificações entregues às pessoas jurídicas foi um pouco maior − 48. Receberam o Selo Solar proprietários (as) de negócios de diversos segmentos econômicos, como, por exemplo, a Cuias Jadi (Frederico Westphalen-RS), os postos de combustível Biasi & Cia (RS); a Guatambu Estância do Vinho, de Don Pedrito (RS); o estádio Pituaçu (Salvador, BA), entre outros. O Selo também foi entregue a uma organização social, a Associação dos Municípios do Oeste do Paraná e à Escola Estadual de Ensino Médio José Luchese (Lagoa Bonita do Sul-RS). Acesse o Mapa do Selo Solar para ver todos que o possuem.

Além disso, foram entregues quatro Selos Solares na categoria socioambiental, que contempla iniciativas que utilizam eletricidade solar e estão relacionadas ao meio ambiente e/ou possuem função social. Receberam o certificado socioambiental as duas vans do CineSolar, que pertencem à Associação Cultural Simbora, com sede em São Paulo-SP; a kombi do Circo de la Costa, do Rio de Janeiro-RJ, e os projetos Tamar na Praia do Forte, na Bahia, e em Florianópolis-SC. As vans e a kombi estão equipados com painéis solares, cuja energia é usada nas apresentações realizadas em diversas cidades do Brasil.

Ao todo, unidades consumidoras de 13 estados receberam o Selo Solar. O que mais recebeu foi o Rio Grande do Sul (15), seguido por Rio de Janeiro (13), Minas Gerais (12) e Santa Catarina e São Paulo (ambos com 10). Completam a lista Mato Grosso do Sul (9), Paraná (7), Bahia (6), Espírito Santo (3), Distrito Federal (2) e Alagoas, Ceará e Pernambuco (todos com um).

O número de Selos concedidos também tem aumentado ano a ano. Foram 13 em 2013; 8 em 2014 e em 2015; 23 em 2016 e 38 em 2017. O consultor do Programa América do Sol e gestor do projeto no Instituto IDEAL, Maurício Frighetto, acredita que o aumento está relacionado com a maior visibilidade e conhecimento público da certificação, assim como à revisão das diretrizes em 2016, o que facilitou os critérios e tornou mais eficiente a análise dos documentos.

Mauro Passos e Ricardo Rüther são homenageados no Sustentar 2017

Participação na curadoria de palestrantes, em debates e na divulgação do evento, foram algumas das atividades realizadas pelo Instituto IDEAL em apoio ao VI Fórum de Energias Renováveis, Consumo Responsável e Cidades Inteligentes – Sustentar 2017 -, realizado nos dias 8, 9 e 10 de novembro, na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, em Florianópolis.

À diferença de edições anteriores, nesta, o presidente do IDEAL, Mauro Passos, e o diretor Ricardo Rüther, também coordenador do Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da UFSC, foram homenageados por suas trajetórias de fomento às renováveis, sobretudo à energia fotovoltaica (FV), em Santa Catarina e em todo o país.

Mauro apresentou dados do mercado e destacou as várias iniciativas de debate a respeito da energia solar, em Florianópolis, apenas no mês de novembro. “Diante de tudo, ouso dizer que nossa cidade se transformou na capital da energia solar!”

Após a palestra e entrega da ‘Moção de Aplauso’ no dia 9/11 à noite, o presidente do IDEAL trouxe informação menos otimista, mas que não pode ser negligenciada: “O Brasil é o único país do mundo em que aumentaram as emissões de gás carbônico com um PIB decrescente, o único!” Rüther deu ênfase ao crescimento do mercado FV, que de abril a novembro deste ano, aumentou de 10 para 17 mil sistemas instalados: “Isso signifIca mercado, geração de emprego e renda”.

IDEAL organizou últimos eventos do projeto “Bônus Fotovoltaico”

Com os workshops em Lages e Chapecó, realizados, respectivamente, nos dias 18 e 23 de outubro, o Instituto IDEAL encerrou a série de seis eventos do “Bônus Fotovoltaico”, realizados anteriormente também em Florianópolis, Criciúma, Gaspar e Joinville. Os encontros integram a iniciativa conjunta da CELESC, Programa de Eficiência Energética da ANEEL e Engie Energia, que tem prevista a instalação, até o fim de novembro deste ano, de mil (1.000) sistemas fotovoltaicos em Santa Catarina. O objetivo foi levar informações sobre o projeto e conhecimento em energia fotovoltaica.

“O ‘Bônus Fotovoltaico’ é, sem dúvida, uma das iniciativas mais importantes no Brasil para disseminar a energia solar”, afirmou o presidente do IDEAL, Mauro Passos. Segundo a Engie Energia, a instalação dos sistemas fotovoltaicos está em fase final. Com potência de 2,6 kWp, os consumidores residenciais receberam um subsídio de 60%, ou seja, investiram R$ 6,6 mil – sem o subsídio, o valor seria R$ 16,7 mil. Segundo dados da CELESC, o payback previsto é de 3,6 anos.

Quatro dos eventos (Gaspar, Criciúma, Joinville e Lages) foram realizados em unidades do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), o que proporcionou que estudantes de diversas áreas, sobretudo as voltadas para o setor, pudessem assistir às palestras. “Foi uma forma de socializar o conhecimento e despertar o interesse nesses jovens para um novo mercado que surge”, afirmou Mauro Passos. Mais informações sobre o projeto podem ser encontradas em http://bonusfotovoltaico.celesc.com.br/.

Posto e fábrica de cuias recebem o Selo Solar do Instituto IDEAL

O Instituto IDEAL concedeu o Selo Solar para a Cuias Jadi, de Frederico Westphalen, e para o posto de combustíveis São Paulo, de Giruá, ambos do Rio Grande do Sul. Os sistemas fotovoltaicos das empresas possuem potência, respectivamente, de 9,1 kWp e 35 kWp, e foram instalados em fevereiro e janeiro deste ano. A empresa de cuias é a primeira do segmento a receber a certificação no país.

O Selo Solar é uma iniciativa do Instituto IDEAL com apoio do WWF-Brasil e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da GIZ e KfW.