Especialistas apontam desafios para ganhar escala em geração distribuída no Brasil

Se em 2015 o perfil do Seminário Energia + Limpa foi mais técnico e conceitual para debater as alternativas e desafios do setor energético como um todo, a 7ª edição do evento, promovida pelo Instituto Ideal e Universidade Federal de Santa Catarina, ganhou uma abordagem mais prática. Essa foi a conclusão do presidente do Instituto, Mauro Passos, após a realização de dois painéis e de um workshop com especialistas nacionais para discutir caminhos para a popularização da geração distribuída. “A pauta das energias alternativas é relevante não só para o Brasil, mas para o mundo todo. Especificamente aqui, a expansão do mercado passa pela conquista de maior escala que torne o cenário mais competitivo”, observou Passos.

Diante de um público de mais de 200 pessoas, entre estudantes, pesquisadores e empresários do setor, o secretário executivo da Organização Latino-Americana de Energia (OLADE), Fernando Ferreira, alertou: há aproximadamente 30 milhões de pessoas sem acesso à energia na região da América Latina e Caribe. Para Ferreira, trata-se, portanto, de uma oportunidade valiosa para a expansão do mercado das energias alternativas. “Essa modalidade passou a ser não só um negócio sustentável ou ecologicamente correto, mas principalmente vantajoso financeiramente. Promover um espaço de debate e de troca de conhecimentos e experiências, como neste Seminário, é muito importante para disseminar essa cultura”, afirmou.

A abertura do evento contou ainda com a participação do deputado estadual Dirceu Dresch (PT), representando a Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina e de representantes da Engie Solar, Caixa, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Quantum Engenharia, patrocinadores do encontro. Também estivam representadas as demais entidades apoiadoras: CELESC, WWF Brasil, Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ, e FIESC.

Incentivos à mobilização

Na ocasião, o presidente do Ideal e o coordenador de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, assinaram um acordo para reforçar a parceria entre as duas entidades para a continuidade do projeto Selo Solar. Segundo a gerente de projetos do Ideal, Paula Scheidt, as novas diretrizes do selo, que certifica e reconhece empresas, residências e instituições públicas e privadas que investem em eletricidade solar, devem ser apresentadas ainda em julho deste ano.

Os participantes do Seminário puderam conhecer ainda, em primeira mão, o vídeo institucional do América do Sol, maior programa de disseminação da energia solar fotovoltaica no Brasil. O audiovisual é uma realização do cineasta socioambiental Todd Southgate e da jornalista Andressa Braun, assessora de comunicação do IDEAL. O filme tem versões legendadas ao espanhol e ao inglês, e conta com o apoio da Eletrosul Eletrobrás, Organização Latino-Americana de Energia (OLADE) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Assista aqui.

Inspirar pelo exemplo

Destinado a apontar caminhos para a popularização da geração distribuída no setor empresarial, o primeiro painel do evento foi mediado por Mauro Passos e contou com a participação do presidente da Câmara de Energia da FIESC, Otmar Josef Müller; do gerente de planejamento do BRDE, Felipe de Castro Couto; e do presidente da Engie Solar, Rodolfo de Sousa Pinto. Müller destacou que a disseminação das energias renováveis é uma pauta importante para a indústria catarinense pelo ganho de competitividade que pode ser gerado, e indicou a expansão de linhas de crédito e isenção do ICMS como uma das principais bandeiras da entidade, neste contexto.

Neste painel, também foram apresentadas as linhas de financiamento disponíveis para projetos de geração distribuída e desafios de disseminação. O presidente da Engie Energia apresentou um histórico da evolução da energia solar no Brasil e destacou que focar no público alvo é fundamental para impulsionar as instalações, tanto no mercado privado, como no setor empresarial. “Há diferentes modalidades de conexão à rede de distribuição. É preciso gerar entendimento sobre isso, para que o investimento seja cada vez mais vantajoso. Necessitamos, contudo, que os pequenos usuários tenham condições tão favoráveis quanto os grandes empreendimentos”, disse.

O segundo painel, focado na popularização da geração distribuída nas cidades e mediado pelo Coordenador de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, reuniu o especialista em Regulação da ANEEL, Marco Aurélio Lenzi Castro; o assessor de Captação de Recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Daniel Chang; a assistente de Projeto da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV), Camila Japp; e o analista de Gerência Técnica da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Marco Olívio Morato de Oliveira.

Castro apresentou as principais mudanças da Resolução Normativa nº 482/2012 que criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica. “A disseminação da geração distribuída é, sem dúvidas, um movimento de baixo para cima, em que a iniciativa privada deve buscar seu protagonismo sem depender apenas do governo”, salientou. Entre os pontos destacados pelo representante do MCTI, estão os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), proposta aprovada pela ONU, em setembro de 2015, como uma espécie de evolução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM); e que traz a energia limpa e acessível como uma meta.

O potencial das cooperativas como consumidoras e também produtoras de energias renováveis foi consenso entre os representantes da DGRV e da OCB. Para Camila, o modelo de negócio característico das cooperativas favorece não só o desenvolvimento regional, mas principalmente o empoderamento dos cidadãos, aspecto fundamental para a popularização do fomento às renováveis. Segundo Oliveira, no contexto brasileiro, o custo dos equipamentos, a escassez de mão de obra qualificada, a oscilação do mercado e a falta de cultura de investimento em projetos de longo prazo são alguns dos desafios deste processo de expansão do setor.

Workshops

A realização de workshops foi uma das novidades desta 7ª edição do Seminário Energia + Limpa. Com moderação do professor Ricardo Rüther, a primeira parte da atividade focou em normais técnicas e procedimentos. Marco Aurélio Lenzi Castro apresentou um passo a passo para ter um sistema FV conectado à rede; e o engenheiro da Celesc Thiago de Oliveira Cassel indicou os padrões de conexão da distribuidora. Já o engenheiro Ruy Tiedje, da Quantum Engenharia, fez um comparativo da evolução da geração distribuída em diferentes regiões do país e salientou que conquistar a confiança do consumidor é um dos principais desafios para a expansão deste mercado. “É fundamental investir nos processos de pós-venda, promovendo maior diálogo entre consumidores, concessionárias e distribuidora, principalmente para acompanhar a alteração do perfil de consumo após a instalação do sistema de geração.”

A última etapa do workshop trouxe para a pauta um dos temas mais palpitantes, quando o assunto é a popularização da geração distribuída: o retorno financeiro sobre o investimento. O CEO da Solar Energy do Brasil, Hewerton Martins, afirmou que é preciso consolidar um processo educacional para que os consumidores se tornem geradores da sua própria energia, o que passa por aspectos como a percepção do consumidor em relação à conta de luz e ao conceito do autoconsumo. Já o diretor de Negócios da Sicoob Ecocredi, João Corrêa Júnior, compartilhou a experiência na construção da nova sede administrativa da cooperativa, localizada em Três Coroas/RS. A construção se destaca pelo sistema de geração de energia. A edificação conta com 184 placas fotovoltaicas, em 10 arranjos, que devem gerar, em média, 69.030 kWh/ano, para atender 50% da demanda de energia no local. O investimento foi em torno de R$ 300 mil e o prazo de retorno é de oito anos, em média.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *