Posts

Publicado estudo sobre o potencial cooperativo para produção de energia limpa na América Latina com participação do IDEAL

Já está disponível o estudo “Potencial de las Cooperativas de Energías Renovables en América Latina − La Generación Distribuida en Brasil, Chile y México”, uma iniciativa da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV). O objetivo é que o conteúdo seja um ponto de partida para atividades que envolvam o tema energias renováveis no contexto do setor cooperativo. O estudo, que contou com a participação do IDEAL, pode ser acessado aqui.

O presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos, ressalta a importância do estudo. “É mais um passo na construção do conhecimento sobre energias renováveis e cooperativas, algo tão importante para a nossa América Latina. Foi uma exitosa parceria que se construiu com a DGRV e com a OCB (Organização das Cooperativas do Brasil)“.

Um dos pontos altos do trabalho são os quadros comparativos entre os três países. É possível observar, por exemplo, as similaridades e diferenças em relação a temas como política climática, marcos legais no setor energético, políticas e programas para o setor energético e características da Geração Distribuída (GD). Um dos dados mostra que no Brasil há nove cooperativas de GD, enquanto o México não possui nenhuma. No entanto, há 110 cooperativas no Brasil com GD (elas têm outras finalidades, mas geram a própria energia).

Outras informações sobre o estudo podem ser acessadas aqui.

IDEAL participa de estudo sobre o potencial cooperativo para produção de energia limpa na América Latina

O Instituto IDEAL participou do estudo “Potencial de las Cooperativas de Energías Renovables en América Latina − La Generación Distribuida en Brasil, Chile y México”, uma iniciativa da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV). O objetivo é que o conteúdo seja um ponto de partida para atividades que envolvam o tema energias renováveis no contexto do setor cooperativo. O estudo pode ser acessado aqui.

Um dos pontos altos do trabalho são os quadros comparativos entre os três países. É possível observar, por exemplo, as similaridades e diferenças em relação a temas como política climática, marcos legais no setor energético, políticas e programas para o setor energético e características da Geração Distribuída (GD). Um dos dados mostra que no Brasil há nove cooperativas de GD, enquanto o México não possui nenhuma. No entanto, há 110 cooperativas no Brasil com GD (elas têm outras finalidades, mas geram a própria energia).

A DGRV tem o propósito de fomentar o desenvolvimento de cooperativas de energia em nível mundial. Neste contexto, o estudo buscou analisar o potencial de cooperativas de energia na América Latina. A ideia é dar respostas e recomendações para o avanço das atividades que a entidade realiza no setor energético.

O estudo contou com a participação de especialistas do Brasil, Chile e México. O IDEAL foi contratado por sua expertise no tema de energias, sobretudo renováveis, e foi representado pela jornalista e gestora de projetos, Andressa Braun. A coordenação da pesquisa foi de Camila Japp, da DGRV, e Marco Olivio Morato, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

No Chile, o estudo contou com a participação de Simon Heinken, da DGRV Paraguay, Daniela Andrea Zamorano Arias, do Instituto de Ecología Política (IEP) e Carlo Saavedra, da Red Genera (e investigador Asociado IEP). No México, o trabalho ficou por conta de Jasmin Renz, da DGRV México, e Flavia Tudela Rivadeneyra, do Ithaca Environmental.

“O estudo foi um grande esforço cooperativo, em consonância com o propósito do projeto: conhecer o estado da arte/desenvolvimento das cooperativas de/com geração distribuída, nos três países, e recomendar ações para o fomento do cooperativismo e da transição energética em direção a uma matriz continental mais limpa e sustentável. O intercambio foi profícuo e um país aprendeu muito um com o outro”, avaliou Andressa Braun .

Uma versão preliminar do estudo foi apresentado no Chile, no início de dezembro, no “Seminario Internacional sobre Generación distribuida y el potencial de cooperativas de energía em América Latina”. O objetivo foi reunir os principais stakeholders do setor, colocá-los em contato, aproveitar o momento de publicação de um avanço na lei de geração distribuída no Chile e realizar o intercâmbio entre os países, sensibilizá-los para a combinação importante e exitosa que é o cooperativismo para a geração de energia.