Posts

IDEAL na Intersolar South America

O Instituto IDEAL participará da feira e conferência da Intersolar South America  que ocorrem de 23 a 25 de agosto, no Expo Center Norte, em São Paulo-SP. O diretor do IDEAL e coordenador do Grupo Fotovoltaica/UFSC, Ricardo Rüther, dará as boas vindas na abertura do evento e participará também do painel “Pesquisa & Desenvolvimento Fotovoltaico no Brasil: situação e perspectivas”, que será realizado no dia 24/8, às 16 horas. Paula Scheidt, gerente de projetos do IDEAL/GIZ, integrará o Intersolar Study Program apresentando uma visão geral do mercado de energia solar no Brasil, no segundo dia da feira, a partir das 10 horas. É a primeira vez que este evento, gratuito e paralelo à conferência, é realizado no país. O propósito é reunir pelo menos 100 estudantes da Grande São Paulo.

Estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída FV”

De forma inédita, os resultados preliminares do estudo anual do IDEAL “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica (FV) – Edição 2016” serão apresentados durante a conferência “Geração Distribuída – o impacto de novas diretrizes” (24/8, 14 horas), pela gerente de projetos do IDEAL/GIZ, Paula Scheidt. Nela, Paula destacará tendências e aspectos do desenvolvimento do mercado FV como preços dos sistemas e de equipamentos. Os dados foram fornecidos pelas empresas cadastradas no Mapa de Fornecedores do programa América do Sol, por meio questionário on line.

No estande do IDEAL na feira, o público também terá acesso a essas e outras informações, além de conhecer as possibilidades de participar e apoiar a edição 2017 do Estudo. Entre os respondentes da pesquisa, o IDEAL sorteou um ingresso gratuito para a conferência da Intersolar South America. A empresa vencedora foi a Solar dos Vales, do município de Coronel Fabriciano-MG. Para atender ao público internacional, o Estudo deste ano também será traduzido ao inglês como a edição de 2015 e graças à parceria estabelecida entre IDEAL e Câmara Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK-RJ). O lançamento da publicação será em outubro de 2016. Os patrocinadores que viabilizaram a realização do Estudo este ano são: SICES Brasil, Renovigi, Engie Solar, Intersolar South America, PHB, EBES, DYA Energia Solar e WEG.

Selo Solar: novas diretrizes facilitam o processo de solicitação

As diretrizes do Selo Solar, uma certificação para consumidores que consomem eletricidade a partir da geração fotovoltaica (FV), foram reformuladas com o propósito de facilitar o processo de solicitação do Selo e de avaliação do mérito. Agora temos duas categorias com regras próprias e específicas: Mercado Livre e Geração Distribuída. Desenvolvido pelo Instituto IDEAL, com o apoio da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ e KfW, o Selo Solar tem ainda, desde 2015, a chancela do WWF-Brasil. A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) é parceira da iniciativa na categoria Mercado Livre desde a sua criação, em 2012.

A categoria Geração Distribuída irá atender a consumidores residenciais, comerciais, rurais, estatais e industriais proprietários de um micro ou minigerador FV conectado à rede. Para eles, houve mudança no critério. A exigência agora é comprovar uma potência fotovoltaica instalada mínima, que varia conforme o subgrupo tarifário ao qual a unidade consumidora está classificada.

Para consumidores livres, especiais e autoprodutores, os critérios de consumo de energia solar seguem os mesmos. Estes só podem receber o Selo Solar se alcançarem um valor mínimo de energia consumida (em MWh por ano) por subgrupo tarifário, que constam nas diretrizes da categoria Mercado Livre.

Ao exigir apenas documentos digitais, todo o processo torna-se mais simples e ágil. A declaração de anuência, por exemplo, agora precisa ser enviada apenas eletronicamente, e não mais por correio ordinário. A relação de documentos, igualmente, é específica para cada categoria, sendo que para geração distribuída, os documentos também são claramente diferenciados para pessoa física e jurídica.

Outra mudança que agilizará os trâmites do processo é a determinação de prazos. Os solicitantes terão um tempo máximo para responderem às dúvidas que surgirem no processo de avaliação e, o mais importante, para encaminhar a documentação depois de preencherem o formulário online. Essa deve estar completa e em um único email (arquivos zipados ou em um PDF que reúna a todos). A análise pelo IDEAL só iniciará diante da confirmação do recebimento da documentação completa.

Igualmente, as novas diretrizes se adequaram às alterações na Resolução Normativa 482 da ANEEL com a inclusão de critérios para as novas modalidades de autoconsumo remoto e geração compartilhada na Categoria Geração Distribuída Outro ponto muito importantes está relacionado ao tempo mínimo de funcionamento do gerador FV: o sistema deve estar em funcionamento por, pelo menos, seis (6) meses, em ambas as categorias.

Diretrizes Mercado Livre
Diretrizes Geração Distribuída

Foco do Seminário é como popularizar a geração distribuída

Como popularizar a adoção de micro e minigeradores de energia renovável em empresas e residências? Esta é uma das respostas que o Instituto IDEAL e a Universidade Federal de Santa Catarina, organizadores da 7ª edição do Seminário Energia + Limpa, querem ouvir de especialistas brasileiros no dia 1º de junho, na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), em Florianópolis/SC. Com enfoque em geração distribuída, cases de sucesso e desafios do setor fotovoltaico, o Seminário inova ao apresentar, além de dois painéis de debates com os principais especialistas em energias renováveis do país, um workshop sobre micro e minigeração FV no período da tarde. Nessa atividade, serão discutidos padrões de conexão à rede, retorno financeiro e alterações na Resolução Normativa 482, da ANEEL. O evento abre o mês de mobilização pelo meio ambiente.

Marco Aurélio Lenzi Castro, especialista em regulação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL); Daniel Chang, assessor de captação de recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); Marco Olívio Morato de Oliveira, analista de gerência técnica da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), e o coordenador de mudanças climáticas e energia do WWF-Brasil, André Nahur, dividirão o mesmo painel na manhã do dia 1°, a partir das 10h45. O tema é a popularização da geração distribuída nas cidades.

Já a primeira mesa, a partir das 9h30, será moderada pelo presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos, e integrada por Otmar Josef Müller, presidente da Câmara de Energia da FIESC; Rodolfo de Sousa Pinto, presidente da Engie Solar, e Felipe Castro do Couto, gerente de planejamento do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). A temática segue sendo a popularização da geração distribuída, porém, com enfoque no setor empresarial.

O workshop é um dos destaques do Seminário, sendo aberto pelo especialista da ANEEL com um ‘passo a passo para ter um sistema FV conectado à rede’. Normas técnicas e procedimentos para micro e minigeração, incluída comparação entre regiões , é o segundo tópico da tarde. Neste, teremos a colaboração da CELESC e da Quantum Engenharia. Já a parte relacionada à ‘contabilidade da energia solar’, contará com a expertise da Solar Energy do Brasil. Para encerrar a tarde, teremos ainda a apresentação de um case empresarial com a participação de João Corrêa Júnior, Diretor de Negócios do SICOOB Ecocredi, cooperativa de crédito com sede em Três Coroas (RS) e cerca de 6,5 mil associados. Na ocasião, a cooperativa irá compartilhar sua experiência na construção da nova sede administrativa inaugurada no mês de maio, que se destaca pelo sistema de geração de energia solar FV. A moderação será do diretor do IDEAL e professor coordenador do Grupo Fotovoltaica/UFSC, Ricardo Rüther.

A mesa de abertura do evento ainda terá a participação de apoiadores do Instituto IDEAL e o lançamento nacional do vídeo do América do Sol, o maior programa de disseminação da energia solar fotovoltaica no Brasil, com vistas à atuação continental, como o próprio nome diz. A produção do vídeo foi realizada pelo renomado cineasta socioambiental, Todd Southgate, diretor de Desculpe pelo Transtorno, a História do Bar do Chico. O audiovisual tem versões legendadas ao espanhol e ao inglês e teve o apoio da Eletrosul Eletrobrás, Organização Latino-Americana de Energia (OLADE) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Como em edições anteriores, integra também a programação do Seminário Energia + Limpa, uma visita técnica ao Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar (Fotovoltaica/UFSC), no dia 2 de junho, oportunidade em que os participantes conhecerão os geradores solares FV integrados aos prédios do Laboratório. A visita ocorrerá em dois horários, as 10 e às 14 horas. Para participar, confirme interesse no momento do credenciamento, no dia do Seminário. O Laboratório Fotovoltaica/UFSC está localizado no Sapiens Parque, na Cachoeira do Bom Jesus, em Florianópolis/SC. Para mais informações de localização, acesse https://goo.gl/maps/YDE7eDdkJ8k. O transporte ao local da visita é por conta do interessado. Todas as atividades do Seminário são gratuitas e abertas ao público, porém, na FIESC, o foro é limitado a 150 pessoas . O credenciamento no dia 1° de junho ocorrerá a partir das 8h30.

O 7° Seminário Energia + Limpa tem o patrocínio da Engie Solar, Caixa, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Quantum Engenharia. Apoio do WWF Brasil, CELESC, FIESC e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ. Acesse a programação completa em www.institutoideal.org/seminario.

Instituto IDEAL premia vencedores do concurso Eco_Lógicas em cerimônia em Quito

Instituto IDEAL e OLADE premiaram hoje, 12/4, em Quito, no Equador, os vencedores do concurso de monografias em eficiência energética e energias renováveis Eco_Lógicas, edição 2014/2015, Dulce Cristal Becerra Paniagua (Universidad de Ciencias y Artes de Chiapas, Chiapas/México) e Luiz Henrique Targa Gonçalves Miranda (Universidade de São Paulo, São Paulo/Brasil). Dulce desenvolveu um sistema autônomo de emergência móvel para purificar água, e Luiz Henrique, um estudo de caso para o aproveitamento energético de resíduos sólidos urbanos do município de Itanhaém (SP). Os estudantes apresentaram seus trabalhos diante de fórum qualificado e receberam um prêmio de 15 mil dólares cada um em cerimônia realizada na sede da Organização Latino-Americana de Energia.

O secretário executivo da OLADE, Fernando Ferreira, deu início à cerimônia, seguido pelo presidente do Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (IDEAL), Mauro Passos, que proferiu palavras de boas vindas aos estudantes e convidados. Ferreira acredita que o concurso representa um avanço para melhorar nossa caminhada em direção a uma matriz energética continental mais limpa.

Mauro Passos referiu-se à construção conjunta de uma matriz energética e diversificada para toda América Latina como uma necessidade. “Essa busca tem iluminado nossos caminhos.” Destacou ainda que tudo o que se faz com paixão, dá resultados, e o concurso, desde sua criação, se realiza dessa forma.

O embaixador do México no Equador, Manuel del Arenal Fenochio, elogiou a iniciativa do concurso e felicitou especialmente à vencedora de seu país, Dulce Becerra, e também a Luiz Henrique pelo alto potencial de seu trabalho.
Também compareceu à cerimônia, o embaixador do Brasil no Equador, Carlos Alfredo Lazary Teixeira, que afirmou que a agenda de temas ambientais é uma política de estado para o Brasil há décadas, e nenhuma crise política irá interferir neste fato.

Destaca-se ainda a intervenção da Diretora de Integração da OLADE, Lenys Rivera Albarracín, sobre a função da capacitação na instituição como mecanismo de integração e difusão do conhecimento.

Os professores orientadores de Dulce e Luiz Henrique, Joel Pantoja Enríquez e Suani Coelho, também receberão um prêmio de 10 mil dólares. O concurso Eco_Lógicas 2014-2015 teve participantes de nove países: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Guatemala, México, Paraguai, Peru e Uruguai.

A 6ª edição do concurso, organizada por IDEAL e OLADE, teve o apoio da Tractebel Energia, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Sustainable Energy for All (SE4All).

Premiação do Eco_Lógicas será realizada dia 12 de abril

A premiação da 6ª edição do Eco_Lógicas, concurso de monografias em energias renováveis e eficiência energética promovido pelo Ideal e Organização Latinoamericana de Energia (OLADE), tem confirmada nova data, 12 de abril, em Quito, no Equador. Os vencedores nas duas categorias, Dulce Cristal Becerra Paniagua (México) e Luiz Henrique Targa Gonçalves Miranda (Brasil), receberão um prêmio de US$ 15 mil e seus professores-orientadores de US$ 10 mil cada um. Na oportunidade, os estudantes também apresentarão seus trabalhos para os convidados à cerimônia, que será realizada na sede da OLADE.

Dulce desenvolveu um sistema autônomo de emergência móvel para purificar água, sob a orientação do professor Joel Pantoja Enríquez, na Universidade de Ciências e Artes de Chiapas. Luiz Henrique realizou na Universidade de São Paulo, com a orientação da professora Suani Teixeira Coelho, um estudo de caso para o aproveitamento energético de resíduos sólidos urbanos do município de Itanhaém (SP).

O concurso teve participantes de nove países: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Guatemala, México, Paraguai, Peru e Uruguai. As 10 monografias selecionadas serão reunidas em livros em português, espanhol e inglês, distribuídos a bibliotecas de todo o território latino-americano e caribenho. Lançado em 2008, o Eco_lógicas é um incentivo para a pesquisa no setor energético.

Projeto registra instalação de 369 sistemas FV em 22 cidades

Ao longo de 2014 e 2015, o projeto 50 Telhados, uma iniciativa do Instituto Ideal para a instalação 50 sistemas fotovoltaicos de 2 kWp ou 100 kWp de potência total por cidade participante, registrou a instalação de 369 telhados FV no Brasil. O Projeto, realizado em parceria com empresas instaladoras em 22 cidades do país, somou aproximadamente 2,38 MWp de potência instalada com uma geração estimada de 3,62 GWh por ano. Para o presidente do Instituto Ideal, Mauro Passos, o Projeto gerou uma competição do bem, com resultados que comprovam a disseminação do uso da tecnologia FV, urbana por definição. “50 Telhados foi uma ferramenta de alavancagem e de ajuda na tomada de decisão pelo consumidor.”

Das 22 cidades participantes, nove (9) alcançaram a meta estipulada, sendo que a maior parte delas o fez a partir da potência total instalada. Fortaleza (CE) e Rio de Janeiro (RJ) instalaram mais de 50 telhados efetivamente. Outros municípios que alcançaram a meta foram: Florianópolis (SC), Salvador (BA), Santa Cruz do Sul (RS), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Luis Eduardo Magalhães (BA) e Recife (PE).
Os três estados com o maior número de telhados instalados foram Ceará, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, cada um deles alcançando mais de 60 instalações FV. Em termos de potência instalada, além desses três estados, vale destacar a Bahia, que ficou em segundo lugar seguido do Ceará.

O Projeto 50 Telhados foi executado localmente nas cidades por 15 instaladores, sendo que as empresas com o maior número de cidades foram Solar Energy do Brasil, participando em cinco cidades de diferentes estados, e Enersol Brasil, em quatro cidades da Bahia. O maior número de instalações FV em uma única cidade foi realizado pela Satrix, com 63 telhados solares em Fortaleza, seguido da Solar Energy do Brasil (37 em Campo Grande e 33 no Rio de Janeiro), Solled Eficiência Energética, (28 em Santa Cruz do Sul) e Araxá Energia Solar (22 em Florianópolis).

O Projeto 50 telhados foi lançado pelo Instituto Ideal em dezembro de 2013 com o intuito de divulgar a geração distribuída a partir da fonte fotovoltaica, dando assim publicidade à REN 482/2012 – Regulação Normativa da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) que cria o sistema de compensação de energia ou net metering, do inglês. A meta de 50 telhados fotovoltaicos de 2 kWp ou 100 kWp de potência total instalada por cidade, poderia ser alcançada individualmente pela empresa instaladora ou em conjunto com outras, em um prazo de até dois anos.

O projeto teve o apoio da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH. Saiba mais sobre o Projeto.

Ranking das cidades com relação à potência instalada

Posição Cidade Empresa executora Potência instalada (kWp) Geração estimada (MWh/ano) Núm. de telhados
1 Fortaleza Dya Energia Solar e Satrix Energias Renováveis 462 748 65
2 Rio de Janeiro Prátil, Solar Energy do Brasil e Solarize Serviços em Tecnologia Ambiental 312 447 52
3 Florianópolis Araxá Energia Solar 196 264 22
4 Salvador Axitec do Brasil e Enersol Brasil 190 308 23
5 Santa Cruz do Sul Energia Própria e Solled Eficiência Energética 176 261 29
6 Campo Grande Solar Energy do Brasil 165 259 37
7 Luis Eduardo Magalhães Enersol Brasil 154 254 14
8 Curitiba 3B Energy, Elco Engenharia de Montagens e Solar Energy do Brasil 151 202 29
9 Recife Satrix Energias Renováveis 143 231 10
10 Porto Alegre Energia Própria 74 109 19
11 Venâncio Aires Solled Eficiência Energética 59 83 5
12 Governador Valadares Seltec Soluções Elétricas e Tecnológicas 50 75 11
13 Teófilo Otoni Seltec Soluções Elétricas e Tecnológicas 48 77 14
14 Lajeado Energia Própria 46 68 9
15 Búzios Prátil e Solar Energy do Brasil 33 45 8
16 Cuiabá Solar Energy do Brasil 29 46 4
17 Barreiras Enersol Brasil 26 44 2
18 Vitória BVK Engenharia 18 26 5
19 Belo Horizonte Dya Energia Solar 14 21 4
20 Porto Seguro Enersol Brasil 13 21 1
21 Natal Dya Energia Solar 12 16 3
22 Petrópolis Solarize Serviços em Tecnologia Ambiental e Solstício Energia 9 12 3
Total geral   2377 3616 369

 

Especialistas criticam vulnerabilidade da matriz energética brasileira

Seminário Energia + Limpa, promovido pelo Instituto Ideal, também debateu os desafios para a expansão das energias renováveis

Os desafios no planejamento energético a longo prazo no Brasil foi um dos focos centrais destacados pelos painelistas do painel de abertura do 6º Seminário Energia + Limpa, que reuniu os principais nomes nacionais do setor em Florianópolis nesta terça-feira (6). Para eles, um maior envolvimento da sociedade civil é necessário no processo de escolhas do governo quanto ao futuro da matriz energética, visto que o país precisará aumentar sua capacidade de geração nos próximos anos ao mesmo tempo em que garanta a resiliência do sistema elétrico.

A coordenadora executiva do projeto Fundo Verde e professora da UFRJ, Suzana Kahn, ressaltou a importância das energias renováveis na redução das emissões de gases do efeito estufa e a necessidade de descarbonização da produção de energia como um todo. Suzana alertou sobre os riscos de não contar com uma matriz energética variada e destacou que a segurança energética demanda medidas estruturais. “É preciso integrar e articular as iniciativas que hoje estão muito isoladas. Para o desenvolvimento de uma política específica para o futuro, precisamos sair da fase de projetos-pilotos”, ressaltou.

Com 80% da matriz elétrica brasileira baseada em hidroeletricidade até 2000, o país precisou buscar alternativas energéticas para a atual crise hídrica. Segundo André Ferreira, representante do Observatório do Clima, isso tem provocado uma evolução, ainda que tímida, das energias alternativas. “A tendência é que a principal fonte continue sendo a hidrelétrica, mas com um foco muito maior na região amazônica. Para o avanço das renováveis, o desafio está em definir um plano de longo prazo e exercitar cenários possíveis, de forma construtiva e instrutiva”, indica.

Para o coordenador do Núcleo Interdisciplinar de Energia da UNICAMP, Gilberto Januzzi, um caminho para aumentar a participação de fontes alternativas e, assim, aumentar a diversidade da matriz, é o desenvolvimento de novos modelos de negócio para o setor. Diante de muitos questionamentos da platéia sobre o papel do governo como incentivador da adoção de fontes alternativas, como a geração distribuída a partir da geração fotovoltaica, o coordenador do Programa de Mudanças Climáticas e Energia do WWF Brasil, André Nahur, ressaltou a necessidade de desenvolver uma economia de baixo carbono a partir de iniciativas do terceiro setor. “A evolução energética também é uma questão social, por isso, é preciso engajar e empoderar a sociedade, para que se articule junto ao governo e à iniciativa privada”, afirmou.

Organizado pelo Instituto Ideal na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), o evento atraiu mais de 300 participantes, entre estudantes, pesquisadores, membros da iniciativa privada e entusiastas do setor. “A missão da sustentabilidade não tem fronteiras e é um compromisso com toda a sociedade”, destacou o presidente do Instituto Ideal, Mauro Passos, na abertura do evento, que contou com a presença do Vice-Presidente para Assuntos Regionais da Região Sudeste da FIESC, Tito Alfredo Schmitt; do presidente da Câmara de Assuntos de Energia da FIESC, Otmar Josef Müller; do secretário de Estado de Santa Catarina do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), Carlos Chiodini; do deputado estadual Dirceu Dresch (PT); do diretor-presidente da Eletrosul, Márcio Zimmermann; e do diretor da KFW no Brasil, Carsten Sandhop.

O evento tem o apoio da FIESC e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), e patrocínio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Araxá Energia Solar, Solar Energy do Brasil, Celesc, Caixa, Eletrobras Eletrosul e Tractebel.  Além disso, conta com o apoio institucional de Ambiente Energia, Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) e Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS).

Acompanhe nos próximos dias a cobertura completa do Seminário.