Posts

Seminário: programação preliminar está on line

Está on line a programação preliminar do 8° Seminário Energia + Limpa, um evento gratuito aberto ao público, que será realizado pelo Instituto IDEAL nos dias 7, 8 e 9 de junho, em Florianópolis, com apoio da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, Universidade Federal de Santa Catarina, Grupo Fotovoltaica-UFSC, WWF-Brasil e CELESC, além do patrocínio da Engie Energia e IESS Ideal Estudos e Soluções Solares. Para esta 8ª edição, renovamos ‘nosso olhar para o futuro’, parafraseando o presidente e fundador do IDEAL, Mauro Passos, em seu blog De Olho no Futuro.

Em 2017, pela primeira vez, teremos dois dias de evento na FIESC e outro de visita técnica ao Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da UFSC. ‘Energia e Mobilidade do Futuro’ tem sido o norte a nos guiar na preparação desta edição.

Entre outros especialistas, está confirmada a participação de Mirian Gonçalves, presidenta do “Instituto Direito e Democracia” e idealizadora do projeto “Curitiba Eco Elétrico”, além da Board Advisor da iCities, Margaret Mussoi L. Groff, realizadora de diversos projetos na área de mobilidade elétrica na Itaipu Binacional.

Também serão lançados os resultados preliminares do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica” – edição 2017, uma iniciativa do Instituto IDEAL e AHK-RJ, e apresentado o case de sucesso “Bônus Fotovoltaico”, um programa da CELESC Distribuição, de fomento à instalação de 1.000 telhados solares no estado.

Marco Morato de Oliveira, da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), apresentará, entre outros pontos, a experiência de criação da primeira cooperativa de energia solar fotovoltaica do Brasil, localizada no estado do Pará. Rodolfo Pinto, da Engie Energia, abordará a iniciativa das comunidades solares.

Confirme sua participação no evento do Facebook, acompanhe as novidades e facilite seu credenciamento no primeiro dia do evento.

IDEAL celebra 10 anos

No último domingo, 12 de fevereiro, o Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (IDEAL) completou 10 anos de trabalho voltados para a busca de conhecimento, legislação e investimentos na produção de uma energia mais limpa. O presidente e fundador do IDEAL, Mauro Passos, lembra que a ideia de criar um instituto privado, sem fins lucrativos e que promovesse as energias renováveis na América Latina, parecia apenas um sonho, porém, compartilhado por 53 pessoas – os fundadores associados – se tornou realidade, uma realidade de 10 anos de luta.

Muitas das mesmas pessoas que acreditaram neste sonho estiveram ontem, dia 14/02, na Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), – mesmo local em que foi fundado o IDEAL -, para celebrar os 10 anos desta caminhada com diretores, parceiros, colaboradores e imprensa . “Passada uma década de atividades, nos sentimos ainda mais motivados e capazes de levar aos nossos vizinhos (*países latino-americanos), as experiências exitosas que nos trouxeram até aqui”, destacou Passos. E como trabalhar na disseminação de conhecimentos está no DNA do Instituto IDEAL, o momento de celebração também foi o de lançar a 8ª edição do Seminário Energia + Limpa.

O diretor do IDEAL e coordenador do Grupo Fotovoltaica-UFSC, Ricardo Rüther, destacou a temática da mobilidade elétrica urbana como eixo principal dos debates desta edição, que ocorrerá nos dias 7, 8 e 9 de junho. Rüther, que é o responsável pelo desenvolvimento do primeiro ônibus elétrico movido à energia solar fotovoltaica do país, também informou que o ônibus fará o deslocamento dos participantes ao local da visita técnica, no último dia do Seminário. O reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier, também compareceu ao evento, dando as boas vindas aos presentes e destacando os novos projetos comuns que a Universidade deseja levar a cabo no âmbito da parceria com o Instituto IDEAL.


Frentes

Hoje as principais frentes de atuação do Instituto são o América do Sol  (o maior programa para disseminação da energia solar fotovoltaica no Brasil que abarca uma série de ações inovadoras como o Selo Solar), o Seminário Energia + Limpa – em 2017, em sua 8ª edição, o evento é uma referência no tema renováveis para todo o país, e o Estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica” – em sua 4ª edição, é pioneiro e uma iniciativa em parceria com a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK-RJ).


Apoiadores

Desde sua criação, o IDEAL é capaz de realizar seu trabalho focado na disseminação do conhecimento, graças à equipe qualificada que possui, e aos parceiros e apoiadores. Sem eles, nada seria possível tampouco. Neste âmbito, destacamos o apoio da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ, da Universidade Federal de Santa Catarina, do Grupo Fotovoltaica UFSC, do WWF-Brasil, Eletrobrás Eletrosul, Celesc, Caixa, da Organização Latino-Americana de Energia (OLADE), do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), do BRDE, da Engie Solar, WEG e da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), entre outros tantos que tardaríamos em relacionar.

Estudo: questionário será enviado este mês.

O questionário que servirá de base para o desenvolvimento da quarta edição do Estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica – 2017”, uma iniciativa do Instituto IDEAL e AHK do Rio de Janeiro, será enviado este mês a mais de 1.000 fornecedores/fabricantes, instaladores e/ou projetistas de todas as regiões do país. Para responder, são necessários 15 minutos, em média, nenhum respondente poderá preencher mais de uma vez, e todos estão cadastrados no Banco de Fornecedores do Setor FV do América do Sol, o maior programa de disseminação da energia solar fotovoltaica do Brasil com vistas a todo o continente latino-americano.

A partir desta edição, além do apoio da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ, o Instituto IDEAL também assegurou ao Estudo o apoio institucional da Agência Nacional de Energia Elétrica, a ANEEL. Já os patrocinadores confirmados até o momento são: Intersolar South America, Phb Solar e Sices Brasil, todos na categoria Ouro (limite de cotas esgotado). Para as demais categorias – Prata (R$ 10.000) e Bronze (R$ 5.000) – ainda há possibilidade de apoio. Clique aqui para saber mais.

O Estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica” busca analisar ano a ano o desenvolvimento do mercado e identificar os desafios no processo de conexão à rede de micro e minigeradores fotovoltaicos, no âmbito da REN 482/2012 da ANEEL. Os resultados preliminares do Estudo serão conhecidos no 8° Seminário Energia + Limpa, que ocorrerá este ano nos dias 7 e 8 de junho, na Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), em Florianópolis.

Especialistas apontam desafios para ganhar escala em geração distribuída no Brasil

Se em 2015 o perfil do Seminário Energia + Limpa foi mais técnico e conceitual para debater as alternativas e desafios do setor energético como um todo, a 7ª edição do evento, promovida pelo Instituto Ideal e Universidade Federal de Santa Catarina, ganhou uma abordagem mais prática. Essa foi a conclusão do presidente do Instituto, Mauro Passos, após a realização de dois painéis e de um workshop com especialistas nacionais para discutir caminhos para a popularização da geração distribuída. “A pauta das energias alternativas é relevante não só para o Brasil, mas para o mundo todo. Especificamente aqui, a expansão do mercado passa pela conquista de maior escala que torne o cenário mais competitivo”, observou Passos.

Diante de um público de mais de 200 pessoas, entre estudantes, pesquisadores e empresários do setor, o secretário executivo da Organização Latino-Americana de Energia (OLADE), Fernando Ferreira, alertou: há aproximadamente 30 milhões de pessoas sem acesso à energia na região da América Latina e Caribe. Para Ferreira, trata-se, portanto, de uma oportunidade valiosa para a expansão do mercado das energias alternativas. “Essa modalidade passou a ser não só um negócio sustentável ou ecologicamente correto, mas principalmente vantajoso financeiramente. Promover um espaço de debate e de troca de conhecimentos e experiências, como neste Seminário, é muito importante para disseminar essa cultura”, afirmou.

A abertura do evento contou ainda com a participação do deputado estadual Dirceu Dresch (PT), representando a Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina e de representantes da Engie Solar, Caixa, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Quantum Engenharia, patrocinadores do encontro. Também estivam representadas as demais entidades apoiadoras: CELESC, WWF Brasil, Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ, e FIESC.

Incentivos à mobilização

Na ocasião, o presidente do Ideal e o coordenador de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, assinaram um acordo para reforçar a parceria entre as duas entidades para a continuidade do projeto Selo Solar. Segundo a gerente de projetos do Ideal, Paula Scheidt, as novas diretrizes do selo, que certifica e reconhece empresas, residências e instituições públicas e privadas que investem em eletricidade solar, devem ser apresentadas ainda em julho deste ano.

Os participantes do Seminário puderam conhecer ainda, em primeira mão, o vídeo institucional do América do Sol, maior programa de disseminação da energia solar fotovoltaica no Brasil. O audiovisual é uma realização do cineasta socioambiental Todd Southgate e da jornalista Andressa Braun, assessora de comunicação do IDEAL. O filme tem versões legendadas ao espanhol e ao inglês, e conta com o apoio da Eletrosul Eletrobrás, Organização Latino-Americana de Energia (OLADE) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Assista aqui.

Inspirar pelo exemplo

Destinado a apontar caminhos para a popularização da geração distribuída no setor empresarial, o primeiro painel do evento foi mediado por Mauro Passos e contou com a participação do presidente da Câmara de Energia da FIESC, Otmar Josef Müller; do gerente de planejamento do BRDE, Felipe de Castro Couto; e do presidente da Engie Solar, Rodolfo de Sousa Pinto. Müller destacou que a disseminação das energias renováveis é uma pauta importante para a indústria catarinense pelo ganho de competitividade que pode ser gerado, e indicou a expansão de linhas de crédito e isenção do ICMS como uma das principais bandeiras da entidade, neste contexto.

Neste painel, também foram apresentadas as linhas de financiamento disponíveis para projetos de geração distribuída e desafios de disseminação. O presidente da Engie Energia apresentou um histórico da evolução da energia solar no Brasil e destacou que focar no público alvo é fundamental para impulsionar as instalações, tanto no mercado privado, como no setor empresarial. “Há diferentes modalidades de conexão à rede de distribuição. É preciso gerar entendimento sobre isso, para que o investimento seja cada vez mais vantajoso. Necessitamos, contudo, que os pequenos usuários tenham condições tão favoráveis quanto os grandes empreendimentos”, disse.

O segundo painel, focado na popularização da geração distribuída nas cidades e mediado pelo Coordenador de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, reuniu o especialista em Regulação da ANEEL, Marco Aurélio Lenzi Castro; o assessor de Captação de Recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Daniel Chang; a assistente de Projeto da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV), Camila Japp; e o analista de Gerência Técnica da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Marco Olívio Morato de Oliveira.

Castro apresentou as principais mudanças da Resolução Normativa nº 482/2012 que criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica. “A disseminação da geração distribuída é, sem dúvidas, um movimento de baixo para cima, em que a iniciativa privada deve buscar seu protagonismo sem depender apenas do governo”, salientou. Entre os pontos destacados pelo representante do MCTI, estão os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), proposta aprovada pela ONU, em setembro de 2015, como uma espécie de evolução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM); e que traz a energia limpa e acessível como uma meta.

O potencial das cooperativas como consumidoras e também produtoras de energias renováveis foi consenso entre os representantes da DGRV e da OCB. Para Camila, o modelo de negócio característico das cooperativas favorece não só o desenvolvimento regional, mas principalmente o empoderamento dos cidadãos, aspecto fundamental para a popularização do fomento às renováveis. Segundo Oliveira, no contexto brasileiro, o custo dos equipamentos, a escassez de mão de obra qualificada, a oscilação do mercado e a falta de cultura de investimento em projetos de longo prazo são alguns dos desafios deste processo de expansão do setor.

Workshops

A realização de workshops foi uma das novidades desta 7ª edição do Seminário Energia + Limpa. Com moderação do professor Ricardo Rüther, a primeira parte da atividade focou em normais técnicas e procedimentos. Marco Aurélio Lenzi Castro apresentou um passo a passo para ter um sistema FV conectado à rede; e o engenheiro da Celesc Thiago de Oliveira Cassel indicou os padrões de conexão da distribuidora. Já o engenheiro Ruy Tiedje, da Quantum Engenharia, fez um comparativo da evolução da geração distribuída em diferentes regiões do país e salientou que conquistar a confiança do consumidor é um dos principais desafios para a expansão deste mercado. “É fundamental investir nos processos de pós-venda, promovendo maior diálogo entre consumidores, concessionárias e distribuidora, principalmente para acompanhar a alteração do perfil de consumo após a instalação do sistema de geração.”

A última etapa do workshop trouxe para a pauta um dos temas mais palpitantes, quando o assunto é a popularização da geração distribuída: o retorno financeiro sobre o investimento. O CEO da Solar Energy do Brasil, Hewerton Martins, afirmou que é preciso consolidar um processo educacional para que os consumidores se tornem geradores da sua própria energia, o que passa por aspectos como a percepção do consumidor em relação à conta de luz e ao conceito do autoconsumo. Já o diretor de Negócios da Sicoob Ecocredi, João Corrêa Júnior, compartilhou a experiência na construção da nova sede administrativa da cooperativa, localizada em Três Coroas/RS. A construção se destaca pelo sistema de geração de energia. A edificação conta com 184 placas fotovoltaicas, em 10 arranjos, que devem gerar, em média, 69.030 kWh/ano, para atender 50% da demanda de energia no local. O investimento foi em torno de R$ 300 mil e o prazo de retorno é de oito anos, em média.

Foco do Seminário é como popularizar a geração distribuída

Como popularizar a adoção de micro e minigeradores de energia renovável em empresas e residências? Esta é uma das respostas que o Instituto IDEAL e a Universidade Federal de Santa Catarina, organizadores da 7ª edição do Seminário Energia + Limpa, querem ouvir de especialistas brasileiros no dia 1º de junho, na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), em Florianópolis/SC. Com enfoque em geração distribuída, cases de sucesso e desafios do setor fotovoltaico, o Seminário inova ao apresentar, além de dois painéis de debates com os principais especialistas em energias renováveis do país, um workshop sobre micro e minigeração FV no período da tarde. Nessa atividade, serão discutidos padrões de conexão à rede, retorno financeiro e alterações na Resolução Normativa 482, da ANEEL. O evento abre o mês de mobilização pelo meio ambiente.

Marco Aurélio Lenzi Castro, especialista em regulação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL); Daniel Chang, assessor de captação de recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); Marco Olívio Morato de Oliveira, analista de gerência técnica da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), e o coordenador de mudanças climáticas e energia do WWF-Brasil, André Nahur, dividirão o mesmo painel na manhã do dia 1°, a partir das 10h45. O tema é a popularização da geração distribuída nas cidades.

Já a primeira mesa, a partir das 9h30, será moderada pelo presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos, e integrada por Otmar Josef Müller, presidente da Câmara de Energia da FIESC; Rodolfo de Sousa Pinto, presidente da Engie Solar, e Felipe Castro do Couto, gerente de planejamento do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). A temática segue sendo a popularização da geração distribuída, porém, com enfoque no setor empresarial.

O workshop é um dos destaques do Seminário, sendo aberto pelo especialista da ANEEL com um ‘passo a passo para ter um sistema FV conectado à rede’. Normas técnicas e procedimentos para micro e minigeração, incluída comparação entre regiões , é o segundo tópico da tarde. Neste, teremos a colaboração da CELESC e da Quantum Engenharia. Já a parte relacionada à ‘contabilidade da energia solar’, contará com a expertise da Solar Energy do Brasil. Para encerrar a tarde, teremos ainda a apresentação de um case empresarial com a participação de João Corrêa Júnior, Diretor de Negócios do SICOOB Ecocredi, cooperativa de crédito com sede em Três Coroas (RS) e cerca de 6,5 mil associados. Na ocasião, a cooperativa irá compartilhar sua experiência na construção da nova sede administrativa inaugurada no mês de maio, que se destaca pelo sistema de geração de energia solar FV. A moderação será do diretor do IDEAL e professor coordenador do Grupo Fotovoltaica/UFSC, Ricardo Rüther.

A mesa de abertura do evento ainda terá a participação de apoiadores do Instituto IDEAL e o lançamento nacional do vídeo do América do Sol, o maior programa de disseminação da energia solar fotovoltaica no Brasil, com vistas à atuação continental, como o próprio nome diz. A produção do vídeo foi realizada pelo renomado cineasta socioambiental, Todd Southgate, diretor de Desculpe pelo Transtorno, a História do Bar do Chico. O audiovisual tem versões legendadas ao espanhol e ao inglês e teve o apoio da Eletrosul Eletrobrás, Organização Latino-Americana de Energia (OLADE) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Como em edições anteriores, integra também a programação do Seminário Energia + Limpa, uma visita técnica ao Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar (Fotovoltaica/UFSC), no dia 2 de junho, oportunidade em que os participantes conhecerão os geradores solares FV integrados aos prédios do Laboratório. A visita ocorrerá em dois horários, as 10 e às 14 horas. Para participar, confirme interesse no momento do credenciamento, no dia do Seminário. O Laboratório Fotovoltaica/UFSC está localizado no Sapiens Parque, na Cachoeira do Bom Jesus, em Florianópolis/SC. Para mais informações de localização, acesse https://goo.gl/maps/YDE7eDdkJ8k. O transporte ao local da visita é por conta do interessado. Todas as atividades do Seminário são gratuitas e abertas ao público, porém, na FIESC, o foro é limitado a 150 pessoas . O credenciamento no dia 1° de junho ocorrerá a partir das 8h30.

O 7° Seminário Energia + Limpa tem o patrocínio da Engie Solar, Caixa, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Quantum Engenharia. Apoio do WWF Brasil, CELESC, FIESC e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ. Acesse a programação completa em www.institutoideal.org/seminario.

Nove anos disseminando conhecimento e acreditando – Por Mauro Passos, presidente do Instituto Ideal

No último dia 12 de fevereiro, o IDEAL completou nove anos de fundação e de luta por uma matriz energética mais limpa no Brasil – que por si só já tem proporções continentais – e em toda a América Latina, missão que levamos no nome e na ação: Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina. Em quase uma década de atividades, nos sentimos ainda mais motivados e capazes de levar aos nossos vizinhos, as experiências exitosas que nos trouxeram até aqui, sobretudo no âmbito do programa América do Sol, de disseminação do uso da energia solar fotovoltaica, e do Seminário Energia + Limpa, que este ano está na 7ª edição. Enche-nos de orgulho saber que este evento é uma referência no tema de renováveis em todo o país e que as discussões provocadas por ocasião do Seminário, reverberam por muito tempo naqueles que participam efetivamente e/ou acompanham as repercussões a posterior, além e, principalmente, de incitar à ação.

O planeta não pode esperar, as mudanças climáticas são uma realidade e devem ser enfrentadas com a coragem da relevância que representam, freando o avanço irresponsável do uso de fontes energéticas fósseis. Passados nove anos, sem contabilizar minhas décadas de militância política neste sentido, sabemos que é possível, que há alternativa e que, além de sustentáveis, comprometidas, as fontes renováveis de energia – solar fotovoltaica, eólica, biogás, hidráulica, entre outras – tornam-se, dia após dia, também mais viáveis economicamente. Em um país com a irradiação do nosso e com a possibilidade de gerar energia no local do consumo, conectando o sistema à rede (surgida com o net metering, regulamentada pela RN 482 da ANEEL); seguimos cumprindo nossa missão ao capilarizar este conhecimento a uma escala sem precedentes, afinal, o consumidor precisa conhecer, para tomar a decisão de investir.

Neste tempo, distribuímos mais de 100 mil cartilhas educativas sobre energia eólica, eletricidade solar e microgeradores fotovoltaicos, e reunimos, em uma ferramenta que chamamos banco de fornecedores, mais de 900 fornecedores e instaladores de sistemas FV de todo o país. Realizamos estudo sobre o mercado de geração distribuída no país e organizamos, nesta última edição em parceria com o Organização Latino-Americana de Energia (OLADE), o concurso Eco_Lógicas. Entre as perspectivas para um futuro próximo, estão os lançamentos do novo portal do América do Sol e do vídeo do programa, produzido por nosso parceiro, reconhecido videomaker meio-ambiental e diretor do premiado Desculpe pelo Transtorno – a História do Bar do Chico, Todd Southgate. Também é mais que merecedora de crédito, as parcerias que apenas começam a colher frutos, com o Cinesolar e com o Teatro a Bordo, que levam nosso material a crianças e adultos das regiões mais distantes e, algumas vezes, inóspitas do país. Tudo, de forma sustentável (a energia das instalações é gerada no próprio local de consumo por meio de placas FV), reunindo conhecimento e cultura.

Dar seguimento à nossa missão, buscando sempre fazer mais e melhor, dentro dos limites de nossa ‘força’ de trabalho – que é altamente qualificada, mas bastante enxuta – é inerente ao alto nível de comprometimento que estabelecemos com as pessoas com as quais nos relacionamos ao longo destes nove anos. Agradecemos aos parceiros de maneira geral, mas não menos afetuosa. A saber, alguns deles sem os quais não seria possível fazer o que fizemos ao longo de nossa existência: Grupo Fotovoltaica UFSC, Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ e KfW, Eletrobras Eletrosul, Tractebel, Olade, GSL e BID. E que o sol siga sendo fonte inesgotável de energia também em nossas vidas, assim como os bons ventos, que continuem nos levando ao encontro de nossos sonhos. Obrigad@ e parabéns, IDEAL!

Especialistas criticam vulnerabilidade da matriz energética brasileira

Seminário Energia + Limpa, promovido pelo Instituto Ideal, também debateu os desafios para a expansão das energias renováveis

Os desafios no planejamento energético a longo prazo no Brasil foi um dos focos centrais destacados pelos painelistas do painel de abertura do 6º Seminário Energia + Limpa, que reuniu os principais nomes nacionais do setor em Florianópolis nesta terça-feira (6). Para eles, um maior envolvimento da sociedade civil é necessário no processo de escolhas do governo quanto ao futuro da matriz energética, visto que o país precisará aumentar sua capacidade de geração nos próximos anos ao mesmo tempo em que garanta a resiliência do sistema elétrico.

A coordenadora executiva do projeto Fundo Verde e professora da UFRJ, Suzana Kahn, ressaltou a importância das energias renováveis na redução das emissões de gases do efeito estufa e a necessidade de descarbonização da produção de energia como um todo. Suzana alertou sobre os riscos de não contar com uma matriz energética variada e destacou que a segurança energética demanda medidas estruturais. “É preciso integrar e articular as iniciativas que hoje estão muito isoladas. Para o desenvolvimento de uma política específica para o futuro, precisamos sair da fase de projetos-pilotos”, ressaltou.

Com 80% da matriz elétrica brasileira baseada em hidroeletricidade até 2000, o país precisou buscar alternativas energéticas para a atual crise hídrica. Segundo André Ferreira, representante do Observatório do Clima, isso tem provocado uma evolução, ainda que tímida, das energias alternativas. “A tendência é que a principal fonte continue sendo a hidrelétrica, mas com um foco muito maior na região amazônica. Para o avanço das renováveis, o desafio está em definir um plano de longo prazo e exercitar cenários possíveis, de forma construtiva e instrutiva”, indica.

Para o coordenador do Núcleo Interdisciplinar de Energia da UNICAMP, Gilberto Januzzi, um caminho para aumentar a participação de fontes alternativas e, assim, aumentar a diversidade da matriz, é o desenvolvimento de novos modelos de negócio para o setor. Diante de muitos questionamentos da platéia sobre o papel do governo como incentivador da adoção de fontes alternativas, como a geração distribuída a partir da geração fotovoltaica, o coordenador do Programa de Mudanças Climáticas e Energia do WWF Brasil, André Nahur, ressaltou a necessidade de desenvolver uma economia de baixo carbono a partir de iniciativas do terceiro setor. “A evolução energética também é uma questão social, por isso, é preciso engajar e empoderar a sociedade, para que se articule junto ao governo e à iniciativa privada”, afirmou.

Organizado pelo Instituto Ideal na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), o evento atraiu mais de 300 participantes, entre estudantes, pesquisadores, membros da iniciativa privada e entusiastas do setor. “A missão da sustentabilidade não tem fronteiras e é um compromisso com toda a sociedade”, destacou o presidente do Instituto Ideal, Mauro Passos, na abertura do evento, que contou com a presença do Vice-Presidente para Assuntos Regionais da Região Sudeste da FIESC, Tito Alfredo Schmitt; do presidente da Câmara de Assuntos de Energia da FIESC, Otmar Josef Müller; do secretário de Estado de Santa Catarina do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), Carlos Chiodini; do deputado estadual Dirceu Dresch (PT); do diretor-presidente da Eletrosul, Márcio Zimmermann; e do diretor da KFW no Brasil, Carsten Sandhop.

O evento tem o apoio da FIESC e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), e patrocínio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Araxá Energia Solar, Solar Energy do Brasil, Celesc, Caixa, Eletrobras Eletrosul e Tractebel.  Além disso, conta com o apoio institucional de Ambiente Energia, Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) e Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS).

Acompanhe nos próximos dias a cobertura completa do Seminário.

Seminário tem visita técnica à usina FV

Além de reunir os mais importantes especialistas do setor energético do Brasil e da América Latina no dia 2 de junho, na FIESC, em Florianópolis, a programação do 6º Seminário Energia + Limpa inclui também visita técnica à usina fotovoltaica 3MWp da Tractebel, em Tubarão. Todo o evento é gratuito, assim como o transporte, desde Florianópolis, aos interessados em participar da visita no dia 3 de junho. As inscrições já estão encerradas, contudo, aqueles que ainda tiverem interesse em participar da atividade, devem entrar em contato com a organização do Seminário, no dia 2 de junho. Representantes do Observatório do Clima, WWF Brasil, MDIC, BNDES, COPPE/UFRJ, Unicamp, SENAI/SC, SCGás, FIESC, IFSC e OLADE já confirmaram participação nos painéis.

Para Mauro Passos, presidente do Instituto Ideal, o Seminário consolidou-se como referência na promoção de palestras, debates e visitas técnicas relacionados às áreas energética e sustentável. “Trabalhamos durante todo o ano para organizar mais que um Seminário, um espaço de troca e difusão de idéias mais sustentáveis sobre geração, fontes e consumo de energia. A participação de convidados como Luiz Pinguelli Rosa [diretor da COPPE/UFRJ – Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia] denota nosso comprometimento em trazer os melhores para o evento.”

Além da FIESC, o 6º Seminário Energia+Limpa tem o apoio institucional da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) e Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS). Os patrocinadores confirmados são: Araxá Solar, BRDE, Celesc, Solar Energy do Brasil e Tractebel. Envie um email para camara.energia@fiescnet.com.br e faça sua pré-inscriçãotambém para os painéis e palestras de 2 de junho. O credenciamento no dia ocorrerá a partir das 8h30 e a programação completa você confere aqui.

Seminário Energia + Limpa ocorrerá em junho

Na semana mundial do meio ambiente, o Instituto Ideal traz para Florianópolis especialistas nacionais e estaduais para discutir os desafios do setor energético e os caminhos para manter a sustentabilidade econômica, ambiental e social da matriz brasileira. A 6ª edição do Seminário Energia + Limpa será realizada no dia 2 de junho com o apoio da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) e terá entrada gratuita e aberta ao público.

O Seminário consolidou-se como uma referência na promoção de palestras, debates e visitas técnicas relacionadas às áreas energética e sustentável. As cinco edições do evento já trouxeram especialistas de todo o Brasil e de diversos países da América Latina e da Europa.

No final de cada edição, é produzido um livro com o resumo das apresentações, distribuído gratuitamente a parceiros e interessados. Uma versão digital desse livro e as apresentações da programação são disponibilizadas em nosso site.

A edição 2015 do Seminário Energia + Limpa será realizado no auditório Milton Fett, na sede da Fiesc.

Todos os detalhes do evento e os palestrantes confirmados serão divulgados em http://institutoideal.org/seminario/

As inscrições serão abertas em breve!

Confira o livro do Seminário Energia + Limpa

Está disponível o livro sobre as palestras do Seminário Energia + Limpa 2014, realizado pelo Instituto Ideal e pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em maio de 2014. A publicação traz ainda informações de tudo o que ocorreu no evento, em Florianópolis (SC).

:::: Confira gratuitamente o livro, com o resumo de todas as apresentações do Energia + Limpa 2014.

Todos os anos, o Energia + Limpa, com o apoio de parceiros, reúne especialistas nacionais e internacionais do setor energético. As inscrições para participar são sempre gratuitas. Acompanhe o site do Ideal para ter as informações sobre o evento de 2015!

::::: Os slides das palestras podem ser vistos na seção “Biblioteca”.

(Foto: Sônia Vill)