Diretora do IDEAL fala sobre participação em eventos internacionais sobre empoderamento de mulheres na área de energia e cooperativas solares

A diretoria do Instituto IDEAL e pesquisadora do Centro de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (FOTOVOLTAICA-UFSC), Kathlen Schneider, participou de eventos em Berlim, na Alemanha, e em Santiago, no Chile.

Na Alemanha, fez parte de um programa de mentoria promovido pela Global Women’s Network for the Energy Transition (GWNET) cujo objetivo é acelerar a carreira de mulheres que estão iniciando sua trajetória profissional nas áreas de energia renovável e/ou eficiência energética. No Chile, debateu no painel “Energia, Cidadania e Cooperativismo” durante a Cúpula Social para Ação Climática.

Nesta entrevista, Schneider conta mais detalhes sobre as experiências internacionais e também fala sobre o desenvolvimento da Rede Brasileira de Mulheres na Energia Solar que ajuda a promover.

O que é o Global Women’s Network for the Energy Transition (GWNET) e como foi a semana de estudos em Berlim, na Alemanha?

GWNET é uma rede de mulheres que trabalham com energias renováveis e eficiência energética em todas as partes do mundo. É uma ONG internacional fundada na Áustria, que busca atuar nas questões de desequilíbrio de gênero no setor energético e promover ações gênero-sensitivas em torno do processo de transição energética por meio do empoderamento de mulheres que atuam no setor.

A semana de estudos em Berlim fez parte do Programa de Mentoria com foco em países da América Latina (Brasil e México, neste caso) e Oriente Médio e Norte da África (Argélia, Jordânia, Marrocos e Tunísia). Esse programa de mentoria tem como objetivo acelerar a carreira de mulheres que estão iniciando sua trajetória profissional nas áreas de energia renovável e/ou eficiência energética por meio do contato com mentoras. Em agosto abriu um processo seletivo para participar do programa e, no total, foram escolhidas 45 mulheres desses seis países e para cada uma foi selecionada uma mentora que mais se encaixasse com o seu perfil.

As mentoras são profissionais sênior no setor que se inscreveram como voluntárias para participar do programa. A relação mentora-mentoreada iniciou em novembro/2019 e seguirá com encontros quinzenais ou mensais durante nove meses via online calls, uma vez que na maioria dos casos mentora e mentoreada não moram no mesmo país. O GWNET também está organizando uma série de webinars para mentoras e mentoreada que acontecerão nesse período.

Das 45 mulheres selecionadas como mentoreadas, 20 foram selecionadas para participar de uma semana de estudos em Berlim, na Alemanha, com o apoio do German Federal Ministry for Economic Affairs and Energy (BMWi). Essa semana de estudos aconteceu entre 25 e 29 de novembro de 2019 e estivemos envolvidas em diversas atividades como reuniões de networking, conferências, workshops e visitas técnicas. Participamos de reuniões no BMWi e no Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH (também parceiro do projeto), do Congresso de Transição Energética organizado pelo Dena (a Agência de Energia Alemã), de um workshop para melhorar nossas habilidades de falar em público e de uma visita técnica no EUREF Campus. Na página do Linkedin do GWNET foram postadas notícias diárias sobre as atividades da semana de estudos.  Foi uma semana muito enriquecedora e de muito aprendizado.

Para mim, o que mais ficou foram as conexões e trocas de experiências realizadas com todas as mulheres que participaram dessa semana de estudos. É muito incentivador perceber que independente das nossas diferenças de culturas, de língua, de contexto social e econômico das regiões em que vivemos, todas nós acreditamos e lutamos por um mesmo objetivo: acelerar a transição energética em nossos países e garantir que as próximas gerações de mulheres do setor energético encontrem um ambiente mais justo e igualitário, e que suas vozes sejam ouvidas e respeitadas.

O que é a Cúpula Social para Ação Climática e como foi a mesa de debates que discutiu energias renováveis e cooperativismo em Santiago, no Chile?

A Cúpula Social para Ação Climática é um evento organizado pela sociedade civil, paralelo à Conferência do Clima (COP) da Organização das Nações Unidas (ONU). A COP25, que seria no Chile, foi cancelada e transferida para Madri, na Espanha, devido aos protestos que estão ocorrendo no país Latino Americano.

A Cúpula Social é organizada pela Sociedade Civil para Ação Climática (SCAC), formada por mais de 130 organizações do mundo ambiental, associações profissionais, sindicatos, organizações políticas e acadêmicas. O objetivo da Cúpula Social é de alertar sobre a emergência climática, mostrar soluções alternativas e alertar para aquelas propostas que não são uma contribuição efetiva para a melhoria do relacionamento entre o meio ambiente e a humanidade.

Mesmo com a COP25 sendo transferida para Madri, as atividades organizadas pela Cúpula Social se mantiveram, tomando espaço em Santiago, no Chile, entre os dias 2 e 11 de dezembro. Vários temas foram abordados nesses 9 dias de eventos como água, biodiversidade, transição energética, direitos humanos e direito ambiental, movimentos sociais e extrativismo, além de várias atividades culturais.

Nós, do IDEAL, a convite da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV), participamos da Cúpula no dia em que foram discutidos tópicos sobre transição energética e um painel sobre “Energia, Cidadania e Cooperativismo”, compartilhando o contexto brasileiro das cooperativas de geração distribuída compartilhada.

Este painel foi organizado pelo Instituto de Ecologia Política (IEP) e pelo Instituto de Estudos Avançados (IDEA) da Universidade de Santiago do Chile (USACH). Participaram deste painel, Afonso Garcia da Goiner, uma cooperativa de geração e consumo de energia renovável no País Basco, Pâmela Cárdenas da Enercoop Ayesen, da Cooperativa de energia da Patagônia, Daniela Zamorano do IEP e a prof. Gloria Baigorrotegui do IDEA.

O evento foi uma troca de experiências muito rica onde cada um de nós compartilhou o contexto dos nossos países, avanços, desafios e perspectivas para o futuro. Espaços como esse, de diálogo e troca de experiências, são de grande importância para que possamos despertar consciência nas pessoas e tomadores de decisões sobre os efeitos positivos da participação cidadã e democrática no processo de transição energética.

Como está o desenvolvimento da Rede Brasileira de Mulheres na Energia Solar, que você está ajudando a desenvolver?

O setor energético é predominantemente masculino e os desequilíbrios de gênero no setor são percebidos no mundo todo. A Rede Brasileira de Mulheres na Energia Solar (MESol) se formou a partir do I Encontro de Mulheres na Energia Solar, realizado no dia 4 de junho no Fotovoltaica-UFSC, em Florianópolis. Nesse encontro conectamos mulheres que trabalham em diferentes áreas da energia solar para compartilharem suas experiências como profissionais, como mães, como mulheres.

A rede nasceu, então, a partir de um objetivo em comum: identificar quem são as mulheres que trabalham com energia solar no Brasil, onde elas estão, em que área do setor elas atuam e quais são as principais barreiras que elas enfrentam na sua trajetória profissional em relação aos desequilíbrios de gênero que encontramos no setor. Nossa intenção é que possamos juntas nos empoderar e nos fortificarmos.

Queremos também incentivar novas gerações de mulheres a trabalharem com energia solar, que elas saibam que engenharias e tecnologia também é para mulheres, que elas encontrem um ambiente de trabalho equilibrado onde mulheres e homens sejam respeitados igualmente pelas suas habilidades, potenciais e que suas vozes sejam escutadas e tratadas de igual para a igual.

Como primeira ação da rede elaboramos um questionário online justamente para mapear quem são as mulheres do setor para que possamos nos conectar e conhecer um pouco do contexto de cada uma. Recebemos mais de 130 respostas e em breve divulgaremos os dados dessa pesquisa.  Em breve também lançaremos nossas redes socias para divulgar nossas ações e estamos com muitos planos pro ano que vem, incluindo atividades no Congresso Brasileiro de Energia Solar (CBENS), que acontecerá em junho em Fortaleza, e no Intersolar South America, que será em agosto em São Paulo. Aguardem que têm muitas novidades vindo por aí!

Diretor do IDEAL alerta sobre ameaça de deserção da rede com mudanças na geração distribuída em audiência pública

Representando a Associação Brasileira de Energia Solar (Abens), o professor Ricardo Rüther, diretor do Instituto IDEAL e coordenador do FOTOVOLTAICA-UFSC, participou da audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados, em Brasília, na quarta-feira (20/11), que discutiu as propostas de mudanças na regulamentação de geração distribuída (Resolução Normativa 482). Rüther alertou que a diminuição dos preços das baterias pode fazer com proprietários de sistemas fotovoltaicos, por exemplo, deixem a rede, fazendo com que os custos de manutenção aumentem para os consumidores brasileiros.

Rüther chamou sua apresentação de “A revolução das baterias e a ameaça real de deserção da rede”. “Toda a discussão acerca de taxar a injeção  de energia na rede para dividir os custos que estão sendo compartilhados com aqueles consumidores que não adotam a geração fotovoltaica no sentido de preservá-lo pode ser um tiro pela culatra. O consumidor que estamos querendo proteger pode ficar sozinho para pagar pelo uso da rede quando acontecer a revolução das baterias, já que este consumidor pode ficar sozinho”. alertou Rüther. O professor prevê que a popularização dos veículos elétricos e o barateamento das baterias vai criar um excedente de opções.

Clique aqui e confira a íntegra da audiência pública. A participação do professor Ricardo Rüther pode ser assistida a partir dos 46 minutos.

No dia 29 de outubro, o engenheiro e pesquisador Alexandre de Albuquerque Montenegro representou o Instituto IDEAL e o FOTOVOLTAICA-UFSC na audiência pública “Desafios da Geração Distribuída e revisão da Resolução 482/2012 da ANEEL” que tratou do mesmo tema.

Para acessar a apresentação, clique aqui. Para assistir à íntegra da audiência pública, clique aqui.

1º Encontro Paranaense de Eficiência Energética (EPEE 2019)

O 1º Encontro Paranaense de Eficiência Energética (EPEE 2019) e a 1ª Feira Eficiência Energética (EXPO EPEE) serão realizado entre os dias 10 a 12 de Dezembro, em Curitiba (PR). Os eventos são realizados pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e organizados pelo Grupo FRG Mídias & Eventos.

O EPEE  possui apoio da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e da Companhia Paranaense de Energia (COPEL) e será direcionado tanto a empresas dos setores energético, comercial e industrial ou consultores profissionais da área de eficiência energética como a alunos, professores, servidores, pesquisadores e membros da comunidade interessados na temática e na economia de energia elétrica.

Durante o evento, a UFPR fará o lançamento da maior usina solar fotovoltaica do Paraná.

Para mais informações acesse o site: www.eletrica.ufpr.br/eficiencia/

Acesse a apresentação do IDEAL e FOTOVOLTAICA na audiência pública sobre geração distribuída na Câmara dos Deputados

O engenheiro e pesquisador Alexandre de Albuquerque Montenegro representou o Instituto IDEAL e o Centro de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (FOTOVOLTAICA-UFSC) na audiência pública “Desafios da Geração Distribuída e revisão da Resolução 482/2012 da ANEEL”, realizada na tarde desta terça-feira (29/10), na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Montenegro apresentou dados e estudos que mostram um risco de deserção da rede. “O prossumidor passa a ser gerador autônomo (com banco de baterias), por insatisfação com condições GD conectada à rede e por redução de custos de sistema FV e baterias”, afirmou. O alerta foi feito porque está em discussão mudanças na resolução 482/2012 da ANEEL, que podem trazer mais custos ao a quem gera energia a partir da energia solar fotovoltaica.

Para acessar a apresentação, cliqui aqui.

Para assistir à íntegra da audiência pública, clique aqui.

Diretor do IDEAL e coordenador do FOTOVOLTAICA-UFSC recebe prêmio internacional na área de energia solar

O diretor do Instituto IDEAL e coordenador do Centro de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (FOTOVOLTAICA-UFSC), Ricardo Rüther, foi premiado pela International Solar Energy Society (ISES) em seu ISES Awards 2019. O professor conquistou o prêmio Achievement through Action Award – In Memory of Christopher A. Weeks

O prêmio homenageia importantes contribuições ao aproveitamento da energia solar para uso prático ou a um novo conceito, desenvolvimento ou produto na área de energia solar. Desde 1975, a cada dois anos, a International Solar Energy Society homenageia aqueles que fizeram conquistas e contribuições significativas para o avanço das aplicações e uso de energia solar.

O prêmio será entregue em Santiago, no Chile, no dia 6 de novembro, durante o Solar World Congress 2019.

Outro prêmio internacional

Em setembro, a diretoria do IDEAL e pesquisadora do FOTOVOLTAICA-UFSC Kathlen Schneider também foi premiada. Ela recebeu o prêmio Student Award por um artigo apresentado no 36th EU PVSEC European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition, na França.

O artigo foi escrito em parceira com Johanna Fink e Camila Japp, ambas da German Cooperative and Raiffeinsen Confederation (DGRV); Paula Scheidt Manoel, da Deutsche Gesellschaft Für Internationale Zusammenarbeit (GIZ); Marco Olívio Morato de Oliveira da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB); e o professor Ricardo Rüther, coordenador do Fotovoltaica/UFSC e também diretor do IDEAL.

O artigo apresenta o contexto brasileiro das cooperativas de energia solar de geração distribuída compartilhada e traça um paralelo com o contexto europeu. Para ter acesso ao artigo, em inglês, clique aqui.

Missão técnica energia solar e tecnologias de armazenamento

Entre os dias 16 e 23 de novembro, a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHKRio), em conjunto com a Representação do Estado de Baden-Württemberg no Brasil e a Federação das Indústrias do Paraná (FIEP), organizará a Missão Técnica Energia Solar Fotovoltaica e Tecnologias de Armazenamento, nas cidade de Stuttgart e entre outras da Alemanha.

A missão realizará visitas técnicas a diversas empresas e projetos renomados no setor de energia solar fotovoltaica, tecnologias de armazenamento e demais componentes da cadeia de produção.

Confira os detalhes do evento abaixo:

IDEAL e AHK-RJ lançam sexta versão do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica”

O Instituto IDEAL e a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro – AHK Rio lançaram a sexta versão do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica” na terça-feira (27/08), durante a Intersolar South América, em São Paulo. A criação de empregos, a queda nos preços dos sistemas fotovoltaicos e o surgimento de novas linhas de financiamento são alguns fatores destacados pela pesquisa.

O estudo contou com apoio da Agencia Nacional de Energia (Aneel) e da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD). Os patrocinadores que viabilizaram a realização da edição deste ano são: Intersolar South America, Globaltek e ESS Electrical Energy Storage.

O estudo foi apresentado por Taynara Mighelão, consultora do programa América do Sol, e Natália Chaves, gerente de energias da AHK-Rio. “O estudo busca embasar os diversos atores do mercado, como empresas instaladoras, fabricantes, distribuidoras, consumidores finais, investidores e instituições. Ao longo destes seis anos, detectamos muitos desafios no setor, mas mesmo assim ele teve um crescimento exponencial”, explicou Taynara Mighelão.

O estudo é realizado com base em questionários enviados a 2.330 empresas cadastradas no Mapa de Empresas do Setor FV do Programa América do Sol. Pela primeira vez nas seis edições, constatou-se que o número de funcionários efetivos é maior que o de terceirizados, 55% a 45%. Em relação aos preços dos sistemas FV, desde 2013 eles sofrem quedas – cerca de 30%.

Para ter acesso ao estudo clique aqui.

4º Congresso Brasileiro de Geração Distribuída

O 4º Congresso Brasileiro de Geração Distribuída (CBGD) será realizado nos dias 13 e 14 de novembro, em Recife (PE).

O evento é promovido e realizado pelo Grupo FRG, organizado em parceria com a Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD), associação oficial de empresas do setor, que reúne provedores de soluções, EPCs, integradores, distribuidores, fabricantes, profissionais e acadêmicos do setor, e que tem em comum a atuação direta ou indireta na geração distribuída oriunda de fontes renováveis de energia.

O evento conta ainda com o apoio oficial de entidades e associações ligadas ao setor de GD no Brasil e no exterior, como WBA – Associação Mundial de Bioenergia.

Para ver a programação e fazer a inscrição clique aqui.

Intersolar South América

O Intersolar South América, maior iniciativa da América Latina voltada à área de energia solar, será realizado nos dias 27, 28 e 29 de agosto, no Expo Center Norte, em São Paulo.

No dia 27, às 13h, o IDEAL e a AHK-RJ vão lançar o estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída FV – Edição 2019” no palco abeto da feira. A apresentação será feita por Taynara Mighelão, consultora do programa América do Sol, e Natália Chaves, gerente de energias da AHK-Rio.

Por meio do código promocional TSESA19SU10P, leitores da Newsletter receberão um desconto de 10% em seu ingresso completo para o congresso. O ingresso para a feira é gratuito para quem se cadastrar online até 26 de agosto de 2019.

Para mais informações sobre o evento clique aqui.

Fotovoltaica-UFSC lança projeto de financiamento coletivo para o ônibus elétrico alimentado por energia solar

O Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (Fotovoltaica-UFSC), que trabalha em parceria com o Instituto IDEAL, lançou uma campanha de financiamento coletivo para o eBus: o ônibus elétrico alimentado por energia solar. A partir de R$ 10, é possível ajudar a manter esta iniciativa. A campanha vai até o dia 10 de outubro. 

Os recursos serão investidos nas despesas com a operação e manutenção do ônibus, como o salário dos motoristas e eventuais gastos com equipamentos e mão de obra. “Mobilidade elétrica é uma das questões importantes da atualidade, ainda mais se estiver relacionada com energia solar, como é o caso do eBus. Pedimos que as pessoas ajudem a manter o desenvolvimento deste projeto”, afirmou o presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos.

O eBus foi inaugurado em dezembro de 2016 e iniciou, em março de 2017, o serviço regular de transporte entre o campus central da UFSC e o Fotovoltaica-UFSC, localizado no Sapiens Parque, no norte da Ilha de Santa Catarina. A energia que alimenta o ônibus é toda produzida nos sistemas fotovoltaicos instalados no laboratório.

O ônibus realiza cinco viagens por dia, percorrendo em torno de 52 quilômetros por itinerário. Ao longo dos dois primeiros anos de serviços regulares e gratuitos para a comunidade UFSC, foram mais de 100 mil quilômetros rodados, o equivalente a duas voltas e meia ao mundo.

O ônibus elétrico é um ambiente de trabalho com poltronas confortáveis (transporta somente passageiros sentados: 38 poltronas), duas mesas de reunião, rede wi-fi, tomadas (220V e USB) e ar-condicionado, possibilitando assim o deslocamento produtivo nas viagens que duram cerca de 30 minutos.

O projeto de desenvolvimento do eBus foi financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação e contou com a parceria, por meio de licitação, das empresas WEG, Marcopolo, Eletra e Mercedes, sendo totalmente fabricado no Brasil (apenas as baterias são importadas do Japão pela Mitsubishi Heavy Industries).

O projeto que concretizou o eBus da UFSC acabou em junho. O financiamento coletivo ajudará a dar continuidade aos estudos em torno do eBus e da eletromobilidade associada à geração de energia solar fotovoltaica.