Posts

SHARED SOLAR COOPERATIVES IN BRAZIL: CONTEXT, OVERCOMING BARRIERS AND LESSONS TO BE DRAWN FROM PREVIOUS EUROPEAN COUNTRIES EXPERIENCES

Artigo sobre cooperativas solares apresentado na 36th EU PVSEC European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition, na França, em setembro de 2019. Kathlen Schneider, diretora do IDEAL e pesquisadora do Centro de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da UFSC, recebeu o prêmio Student Award pelo trabalho escrito junto com outros pesquisadores.

SHARED SOLAR COOPERATIVES IN BRAZIL: CONTEXT, OVERCOMING BARRIERS AND LESSONS TO BE DRAWN FROM PREVIOUS EUROPEAN COUNTRIES EXPERIENCES

Evento “Conexão de Cooperativas de Geração Distribuída” será realizado dia 7/06 em Florianópolis e terá transmissão pela internet

Promover a troca de experiências é objetivo do evento “Conexão de Cooperativas de Geração Distribuída”, que será realizado no dia 07 de junho, a partir das 9h, no Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (Fotovoltaica-UFSC), localizado no Sapiens Parque, em Florianópolis (SC). Os interessados podem participar presencialmente ou por meio do Webinar (transmissão pela internet).

Desde 2015, com a Resolução Normativa nº 687/2015 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), indivíduos podem se unir para gerar sua própria energia por meio de fontes renováveis. “Uma das formas de realizar essa geração de energia em grupo é por meio do cooperativismo, que tem como conceito ‘O que um não consegue sozinho, podemos conseguir juntos’”, explicou Kathlen Schneider, diretora do Instituto IDEAL, pesquisadora do Fotovoltaica-UFSC e uma das organizadoras do evento.

Desde a regulamentação da norma foram criadas oito cooperativas de geração distribuída compartilhada no Brasil, sendo que seis estarão presentes no evento. “Ainda existem muitas dúvidas de como viabilizar este modelo de geração compartilhada. No evento será a primeira vez que representantes dessas iniciativas pioneiras nacionais se reunirão para uma troca de experiências. Será uma grande oportunidade de conhecermos mais sobre esse modelo democrático de geração de energia para que possamos torná-lo cada vez mais e mais uma realidade aqui no Brasil”, afirmou Kathlen Schneider.

O evento é promovido pelo Instituto IDEAL, pelo Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (Fotovoltaica-UFSC) e pela Confederação Alemã de Cooperativas (DGRV). Conta com o apoio da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH.

PROGRAMAÇÃO
9:00 – Boas-vindas + Cooperativas de Geração Distribuída Compartilhada: O Contexto
Brasileiro (Mauro Passos e Kathlen Schneider – Instituto IDEAL / Fotovoltaica-UFSC)
9:05 – Caminhos e desafios para o cooperativismo de Geração Distribuída (Marco Morato – OCB)
9:10 – O cooperativismo no mundo e na Alemanha – cooperativas de geração de energia como principais atores da transformação energética (Camila Japp – DGRV)
9:15 – Cooperativa Brasileira de Energia Renovável – COOBER (Alan Melo)
9:25 – Cooperativa Sustentável de Energias Renováveis – Cooper Sustentável (Alex Lang)
9:35 – Cooperativa de Consumo de Energia – Enercred (José Otávio Bustamante)
9:45 – Cooperativa de Geração Compartilhada – Compartsol (Alexandre Bueno)
9:55 – Coopercitrus – Cooperativa de Produtores Rurais (Diego Branco)
10:05 – Cooperativa de Geração Compartilhada – Cogecom (Roberto Corrêa)
10:15 – Perguntas e respostas abertas para o público presente e participantes online
10:30 – Encerramento do Webinar

COMO PARTICIPAR

Pela Internet
Acesse o canal do FOTOVOLTAICA-UFSC clicando aqui.

Presencialmente
Faça a inscrição clicando aqui.

Retrospectiva e desafios para 2019

Mauro Passos
Presidente do Instituto IDEAL

Todo fim de ano é um momento propício para refletirmos sobre nossa atuação e sobre os desafios que teremos pela frente, sobretudo em um contexto em que as energias renováveis, principalmente a solar, têm o potencial de vir a suprir as futuras demandas energéticas.

O ano que passou foi de muito trabalho. Uma das nossas principais iniciativas foi o projeto Municípios Solares, uma parceria do Instituto IDEAL com a Federação Catarinense de Municípios (FECAM) e a Quantum Engenharia e com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). A primeira etapa foi apresentar a idéia a prefeitos e suas equipes, com intuito de socializar o conhecimento. O projeto teve grande aceitação em Santa Catarina e já está sendo apresentado em outros estados brasileiros. O desafio para 2019 é colocá-lo em prática.

O ano também foi marcado por uma aproximação ainda mais intensa com o cooperativismo. Junto com o Grupo Fotovoltaica – UFSC, lançamos o Simulador de Cooperativas de Energia Solar. O aplicativo digital simula o tamanho do sistema FV para suprir a energia consumida pelos cooperados e cooperadas, os custos para manter a cooperativa e a economia esperada por cooperado(a).

Neste contexto, após negociações iniciadas com a Confederação Alemã de Cooperativas (DGRV) há dois anos, o IDEAL foi parceiro na realização do estudo “Potencial de las Cooperativas de Energías Renovables en América Latina − La Generación Distribuida en Brasil, Chile y México”, que será lançado em breve. O conteúdo é um estado da arte sobre as cooperativas de e com geração distribuída no Brasil, no Chie e no México.

Realizamos em junho o 9º Seminário Energia + Limpa. A programação, focada em temas que nos aproximam do futuro, tratou do mercado de energia fotovoltaica, das cooperativas solares e da mobilidade elétrica. No evento, lançamos o Prêmio América do Sol 2019, cujo objetivo é reconhecer iniciativas inovadoras e sustentáveis na área da energia solar.

Ainda em 2018, lançamos a quinta edição do estudo “Mercado Brasileiro de Geração Distribuída”, uma iniciativa do IDEAL e da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha. O Selo Solar, que passou por algumas atualizações, também se consolida como uma importante certificação do setor fotovoltaico.

Em relação ao ano que se inicia, a questão ambiental vai ser um dos nossos grandes desafios. O ano terminou com a notícia de que a Amazônia teve o maior desmatamento da história. A energia solar, com todo o crescimento que teve, está ameaçada por mudanças regulatórias e pelo lobby das concessionárias. Organizações não governamentais, como o Instituto IDEAL, também vão enfrentar dificuldades.

Enfim, como podemos ver, 2019 será um ano de grandes desafios. Só que não nos falta energia para enfrentá-los.

Desejamos a todos um bom fim de ano e um 2019 com as energias renovadas.

IDEAL participa de estudo sobre o potencial cooperativo para produção de energia limpa na América Latina

O Instituto IDEAL participou do estudo “Potencial de las Cooperativas de Energías Renovables en América Latina − La Generación Distribuida en Brasil, Chile y México”, uma iniciativa da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV). O objetivo é que o conteúdo seja um ponto de partida para atividades que envolvam o tema energias renováveis no contexto do setor cooperativo. O estudo pode ser acessado aqui.

Um dos pontos altos do trabalho são os quadros comparativos entre os três países. É possível observar, por exemplo, as similaridades e diferenças em relação a temas como política climática, marcos legais no setor energético, políticas e programas para o setor energético e características da Geração Distribuída (GD). Um dos dados mostra que no Brasil há nove cooperativas de GD, enquanto o México não possui nenhuma. No entanto, há 110 cooperativas no Brasil com GD (elas têm outras finalidades, mas geram a própria energia).

A DGRV tem o propósito de fomentar o desenvolvimento de cooperativas de energia em nível mundial. Neste contexto, o estudo buscou analisar o potencial de cooperativas de energia na América Latina. A ideia é dar respostas e recomendações para o avanço das atividades que a entidade realiza no setor energético.

O estudo contou com a participação de especialistas do Brasil, Chile e México. O IDEAL foi contratado por sua expertise no tema de energias, sobretudo renováveis, e foi representado pela jornalista e gestora de projetos, Andressa Braun. A coordenação da pesquisa foi de Camila Japp, da DGRV, e Marco Olivio Morato, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

No Chile, o estudo contou com a participação de Simon Heinken, da DGRV Paraguay, Daniela Andrea Zamorano Arias, do Instituto de Ecología Política (IEP) e Carlo Saavedra, da Red Genera (e investigador Asociado IEP). No México, o trabalho ficou por conta de Jasmin Renz, da DGRV México, e Flavia Tudela Rivadeneyra, do Ithaca Environmental.

“O estudo foi um grande esforço cooperativo, em consonância com o propósito do projeto: conhecer o estado da arte/desenvolvimento das cooperativas de/com geração distribuída, nos três países, e recomendar ações para o fomento do cooperativismo e da transição energética em direção a uma matriz continental mais limpa e sustentável. O intercambio foi profícuo e um país aprendeu muito um com o outro”, avaliou Andressa Braun .

Uma versão preliminar do estudo foi apresentado no Chile, no início de dezembro, no “Seminario Internacional sobre Generación distribuida y el potencial de cooperativas de energía em América Latina”. O objetivo foi reunir os principais stakeholders do setor, colocá-los em contato, aproveitar o momento de publicação de um avanço na lei de geração distribuída no Chile e realizar o intercâmbio entre os países, sensibilizá-los para a combinação importante e exitosa que é o cooperativismo para a geração de energia.