Posts

1º Encontro Paranaense de Eficiência Energética (EPEE 2019)

O 1º Encontro Paranaense de Eficiência Energética (EPEE 2019) e a 1ª Feira Eficiência Energética (EXPO EPEE) serão realizado entre os dias 10 a 12 de Dezembro, em Curitiba (PR). Os eventos são realizados pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e organizados pelo Grupo FRG Mídias & Eventos.

O EPEE  possui apoio da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e da Companhia Paranaense de Energia (COPEL) e será direcionado tanto a empresas dos setores energético, comercial e industrial ou consultores profissionais da área de eficiência energética como a alunos, professores, servidores, pesquisadores e membros da comunidade interessados na temática e na economia de energia elétrica.

Durante o evento, a UFPR fará o lançamento da maior usina solar fotovoltaica do Paraná.

Para mais informações acesse o site: www.eletrica.ufpr.br/eficiencia/

Diretora do IDEAL faz palestra em evento de formação de eletricidade básica para mulheres em Garopaba (SC)

 

A diretoria do Instituto IDEAL e pesquisadora do Centro de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (FOTOVOLTAICA-UFSC), Kathlen Schneider, participou no sábado (19/10) do encerramento da Oficina de Eletricidade Básica Residencial Presencial para Mulheres, em Garopaba (SC). “Discutimos questões técnicas e científicas e os desafios enfrentados por nós mulheres devido às desigualdades de gênero. Foi uma tarde muito agradável com uma rica troca de experiências”, avaliou Kathlen.

O curso, organizado pela Frente Feminina de Estudos e Cidadania de Garopaba, teve cinco encontros. Além de conhecerem conceitos básicos sobre manutenção elétrica, as alunas foram capacitadas para realizar pequenos reparos e/ou pequenas novas instalações elétricas.

A diretoria do Instituto IDEAL participou do último encontro. Kathlen Schneider falou sobre o papel que a energia solar fotovoltaica tem tido no movimento de transição energética das fontes não-renováveis para as fontes renováveis de geração de energia no contexto nacional e mundial. Tratou de questões técnicas, como as diferenças entre as tecnologias e os detalhes sobre a instalação dos sistemas, e explicou aspectos da legislação, como a Resolução Normativa nº 482/2012 da Aneel. Também explicou sobre as cooperativas de geração distribuída compartilhada de energia solar fotovoltaica, que faz parte de sua pesquisa de mestrado.

Os desafios enfrentados pelas mulheres devido às desigualdades de gênero foi um dos temas abordados. “Eu levei a questão de como somos desencorajadas desde crianças a atuar nas áreas STEM (da sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) por serem áreas de atuação durante a história predominantemente masculinas. Abri para o debate e várias participantes compartilharam um pouquinho da sua história e sua perspectiva sobre essas questões.”, relatou.

Kathlen Schneider faz parte de um movimento que tem se dedicado às questões de gênero na área. Em junho, ajudou a organizar o I Encontro de Mulheres na Energia Solar. O grupo está organizando a Rede Brasileira de Mulheres na Energia no Brasil com o objetivo de conectar as mulheres do setor e promover eventos.

Na visão de Kathlen Schneider, o tema das desigualdades de gênero deve estar em pauta desde cedo. “Em Garopaba, falamos sobre como é importante educarmos nossas crianças de que não existe ‘coisa de menino e coisa de menina’ e que todos temos potencial para atuarmos no que quisermos, com o que mais nos identificamos. A Frente Feminina de Estudos e Cidadania está fazendo um trabalho maravilhoso em Garopaba, conectando mulheres e homens e criando uma rede de pessoas que acreditam e que lutam por um mundo mais igual para todas as pessoas.”

 

Diretor do IDEAL e coordenador do FOTOVOLTAICA-UFSC recebe prêmio internacional na área de energia solar

O diretor do Instituto IDEAL e coordenador do Centro de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (FOTOVOLTAICA-UFSC), Ricardo Rüther, foi premiado pela International Solar Energy Society (ISES) em seu ISES Awards 2019. O professor conquistou o prêmio Achievement through Action Award – In Memory of Christopher A. Weeks

O prêmio homenageia importantes contribuições ao aproveitamento da energia solar para uso prático ou a um novo conceito, desenvolvimento ou produto na área de energia solar. Desde 1975, a cada dois anos, a International Solar Energy Society homenageia aqueles que fizeram conquistas e contribuições significativas para o avanço das aplicações e uso de energia solar.

O prêmio será entregue em Santiago, no Chile, no dia 6 de novembro, durante o Solar World Congress 2019.

Outro prêmio internacional

Em setembro, a diretoria do IDEAL e pesquisadora do FOTOVOLTAICA-UFSC Kathlen Schneider também foi premiada. Ela recebeu o prêmio Student Award por um artigo apresentado no 36th EU PVSEC European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition, na França.

O artigo foi escrito em parceira com Johanna Fink e Camila Japp, ambas da German Cooperative and Raiffeinsen Confederation (DGRV); Paula Scheidt Manoel, da Deutsche Gesellschaft Für Internationale Zusammenarbeit (GIZ); Marco Olívio Morato de Oliveira da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB); e o professor Ricardo Rüther, coordenador do Fotovoltaica/UFSC e também diretor do IDEAL.

O artigo apresenta o contexto brasileiro das cooperativas de energia solar de geração distribuída compartilhada e traça um paralelo com o contexto europeu. Para ter acesso ao artigo, em inglês, clique aqui.

SHARED SOLAR COOPERATIVES IN BRAZIL: CONTEXT, OVERCOMING BARRIERS AND LESSONS TO BE DRAWN FROM PREVIOUS EUROPEAN COUNTRIES EXPERIENCES

Artigo sobre cooperativas solares apresentado na 36th EU PVSEC European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition, na França, em setembro de 2019. Kathlen Schneider, diretora do IDEAL e pesquisadora do Centro de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da UFSC, recebeu o prêmio Student Award pelo trabalho escrito junto com outros pesquisadores.

SHARED SOLAR COOPERATIVES IN BRAZIL: CONTEXT, OVERCOMING BARRIERS AND LESSONS TO BE DRAWN FROM PREVIOUS EUROPEAN COUNTRIES EXPERIENCES

IDEAL e Cresol realizaram debates sobre energia solar e cooperativismo no Oeste de Santa Catarina

O que é energia solar? Por que investir nessa tecnologia? Como o cooperativismo pode se beneficiar dos sistemas fotovoltaicos (FV)? Essas foram algumas questões que nortearam quatro debates realizados no Oeste de Santa Catarina na semana passada (7 a 9/08). Os eventos − uma parceria do Instituto IDEAL com a cooperativa de crédito Cresol Base Oeste e com o apoio do gabinete do deputado Pedro Uczai − reuniram mais de 250 pessoas nas cidades de Dionísio Cerqueira, Pinhalzinho, Quilombo e Chapecó.

O presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos, abriu os debates contando a história da energia solar e mostrando a evolução dessa tecnologia. Mostrou que ela é eficiente, confiável e limpa. “Além disso, a energia solar está ganhando escala, e o preço, caindo. A cada ano está ficando mais barato produzir a própria energia. Até porque o valor da conta de luz, historicamente, é corrigido acima da inflação”, afirmou Passos.

Passos também salientou que o futuro dessa tecnologia passa pelo cooperativismo. “A energia solar é a cara do cooperativismo. O que é uma cooperativa? São pessoas que se juntam para fazer algo maior. E por que não fazer uma cooperativa solar para gerar energia e distribuir entre os cooperados? Hoje isso é possível”, argumentou.

Kathlen Schneider, diretora do IDEAL e pesquisadora do Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (Fotovoltaica-UFSC), proferiu a palestra “O Cooperativismo e a Energia Solar Fotovoltaica”. Desde 2015, com a Resolução Normativa 687 da Aneel, é possível que pessoas se reúnam em forma de cooperativa para produzir a própria energia.

Há duas formas para fazer isso. As cooperativa existentes podem instalar a energia fotovoltaica em suas unidades ou podem ser criadas cooperativas exclusivamente para gerar energia. Na sua apresentação, Kathlen Schneider mostrou os modelos existentes no Brasil das associações criadas exclusivamente para este fim. “Cada uma, no seu contexto, foi encontrando um modelo. Não há uma receita de bolo. Cada local tem um contexto, um potencial de irradiação, uma geografia, são pessoas diferentes. Esses casos mostram as cooperativas são uma forma de democratizar o acesso à energia”, falou.

O encerramento ocorreu em Chapecó com a presença do deputado federal Pedro Uczai e do presidente da Cresol Chapecó Paulo Roberto Munarini. Ambos comprometidos com a energia solar na região, reafirmaram seus compromissos de levar adiante a iniciativa do Instituto IDEAL.

Quer conhecer mais sobre o assunto? conheça o “Guia de Constituição de Cooperativas de Geração Distribuída Fotovoltaica?” e o “Simulador de cooperativas de energia solar”.

 

Evento “Conexão de Cooperativas de Geração Distribuída” reuniu experiências nacionais em Florianópolis

O encontro “Conexão de Cooperativas de Geração Distribuída”, realizado no dia 07 de junho, no Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (Fotovoltaica-UFSC), foi um momento de troca de experiências entre representantes de seis empreendimentos brasileiros. Ao todo, 131 pessoas participaram do evento, seja presencialmente ou pelo Webinar (o evento foi transmitido ao vivo pela internet).

O presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos, ao dar as boas-vindas aos presentes, salientou a importância do tema para o instituto. Disse ainda que a energia solar é a cara do cooperativismo. “O melhor lugar para aplicar a energia solar é dentro do princípio e compreensão do que é o cooperativismo. Você junta pessoas e faz uma instalação. E é modular. Sempre brinco que é um grande lego. Você vai colocando os painéis conforme as condições”.

O evento foi promovido pelo IDEAL, Fotovoltaica-UFSC e Confederação Alemã de Cooperativas (DGRV). Contou ainda com o apoio da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH.

Estiveram presentes representantes da Cooperativa Brasileira de Energia Renovável (COOBER), Cooperativa Sustentável de Energias Renováveis (Cooper Sustentável), Cooperativa de Consumo de Energia (Enercred), Cooperativa de Geração Compartilhada (Compartsol), Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) e Cooperativa de Geração Compartilhada (Cogecom). As apresentações estão disponíveis para download  e também podem ser vistas no YouTube.

Na sua apresentação, Camila Japp, explicou que a DGRV é organismo que representa o cooperativismo alemão e que conta com um departamento internacional de fomento ao cooperativismo em diversas áreas do mundo, como Ásia, África e América latina. No Brasil, desde 2004 atua com cooperativas de energia renováveis.

A Alemanha tem um grande conhecimento na área. Há praticamente 900 cooperativas de energia renováveis naquele país. “A gente quer entender, das cooperativas brasileiras que já estão trilhando este caminho, o que está dando certo, o que não está dando certo, o que podemos fazer para ajudar, o que podemos fazer para elas crescerem, e qual é este caminho que podemos trilhar junto. A gente tem muito interesse nesse apoio”, disse.

Kathlen Schneider, diretora do Instituto IDEAL, pesquisadora do Fotovoltaica-UFSC e uma das organizadoras do evento, destacou a importância do encontro. “Foi muito importante para conectar as iniciativas pioneiras no Brasil de cooperativas de geração distribuída (GD) compartilhada, para que juntas elas possam se fortalecer e encontrar suporte para estruturar de maneira consolidada esse modelo democrático de geração de energia”.

De acordo com a diretora do IDEAL, muitas cooperativas relataram passar por dificuldades semelhantes no processo de criação e operação dos seus modelos. “Esse fato deixou claro quais as ações podemos dar prioridade, em conjunto, para consolidar e fortalecer o modelo de GD compartilhada por meio de cooperativas no Brasil.”, relatou Kathlen Schneider.

O encontro também serviu para compartilhar soluções. “O que alguma cooperativa apresentou como sendo uma grande dificuldade, outra já tinha encontrado alguma solução para essa mesma dificuldade relatada. Sendo assim, percebeu-se o grande potencial em conectar essas cooperativas, fortalecendo-as ao trabalharem em conjunto.”, explicou Kathlen Schneider.

As apresentações
– Abertura e boas-vindas – por Mauro Passos (IDEAL) e Kathlen Schneider (Fotovoltaica-UFSC/IDEAL e organizadora do evento)
– O cooperativismo no mundo e na Alemanha – por Camila Japp (DGRV e organizadora do evento)
– Caminhos e desafios para o cooperativismo de Geração Distribuída – por Marco Morato (OCB e organizador do evento)
– Cooperativa Brasileira de Energia Renovável (COOBER) – A primeira cooperativa de GD compartilhada do Brasil – Fonte: Solar Fotovoltaica – Localizada em Paragominas-PA – por Alan Melo (cooperado fundador da COOBER)
– Cooperativa Sustentável de Energias Renováveis (Cooper Sustentável) – Cooperativa de GD compartilhada – Fonte: Solar Fotovoltaica – Com uma pequena usina em Arcos-MG e outra em São José-SC – por Alex Lang (cooperado fundador da Cooper Sustentável)
– Cooperativa de Consumo de Energia (Enercred) – Cooperativa de GD compartilhada – Fonte: Solar Fotovoltaica – Localizada em Pedralva-MG – por José Otávio Bustamante (CEO da Enercred)
– Cooperativa de Geração Compartilhada (Compartsol) – Cooperativa de GD compartilhada – Fonte: Solar Fotovoltaica – Localizada em Araçoiaba da Serra-SP – por Guilherme Susteras (Diretor-Presidente da Compartsol)
– Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) – Cooperativa Rural que adotou o sistema de GD, de fonte solar fotovoltaica, para gerar energia e compensar na fatura de 28 unidades consumidoras de estabelecimentos da própria Coopercitrus que estão espalhados por São Paulo. Localizada em Bebedouros-SP – por Diego Branco (coordenador de energia fotovoltaica da Coopercitrus)
– Cooperativa de Geração Compartilhada (Cogecom) – Cooperativa de GD compartilhada – Fonte: Termelétrica de Resíduos Florestais – Localizada em Carambeí-PR – por Roberto Corrêa (Presidente da Cogecom)

Seja um patrocinador do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica – Edição 2019”

O Instituto IDEAL e a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK-RJ) estão finalizando a sexta edição do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica – Edição 2019”. Até o dia 15 de maio, os interessados poderão patrocinar a publicação, que tem se consolidado como uma das mais importantes da área. O material tem se tornado referência para empresas, pesquisadores e o público que consome energia solar.

As cotas de patrocínio variam entre R$ 5 mil e R$ 20 mil. “Quem faz o patrocínio tem uma série de contrapartidas, ganhando destaque nos canais de comunicação que atingem o público alvo, os consumidores de energia solar. Além disso, os patrocinadores ajudam a incentivar o crescimento do setor”, avaliou a consultora do programa América do Sol Taynara Mighelão, uma das responsáveis pelo estudo. Para mais informações sobre as cotas de patrocínio, clique aqui. O estudo já conta com o patrocínio da Intersolar South America, Globaltek e ESS.

O Estudo, que é uma iniciativa do IDEAL e da AHK-RJ, tem o apoio da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD) e da maior feira do setor na América Latina, a Intersolar . Os dados preliminares serão divulgados no dia 5 e 6 de junho, durante o Fórum GD, em Florianópolis. O lançamento está programado para ser realizado durante a Intersolar, que ocorre entre os dias 27 e 29 de agosto.

Os resultados do estudo provêm de questionários enviados para mais de duas mil empresas cadastradas no banco de fornecedores, instaladores e projetistas do programa América do Sol. O estudo traz dados, por exemplo, sobre os preços dos sistemas instalados, tamanho dos sistemas e tempo de conexão à rede elétrica.

Fórum GD – Região Sul

O Fórum Regional de Geração Distribuída (Fórum GD) Região Sul será realizado em Florianópolis (SC) nos dias 05 e 06 de junho, no Hotel Majestic. O evento tem como objetivo reunir toda a cadeia produtiva do setor dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e debater os melhores rumos da Geração Distribuída para os próximos anos na região.

Mais de 70 especialistas na área participarão dos debates. O evento é organizado é promovido pela Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD) e organizado e realizado pelo Grupo FRG Mídias & Eventos.

O Instituto IDEAL apoia o Fórum GD. E também participará debatendo dois temas: Projeto Municípios Solares, com Mauro Passos, presidente do Instituto; e Cooperativas Solares, com Kathlen Schneider, diretora do Instituto e pesquisadora do Fotovoltaica-UFSC.

Confira os valores das inscrições:
1º LOTE – R$ 490,00 até dia 20 de março de 2019
2º LOTE – R$ 690,00 até 20 de abril de 2019
3º LOTE – R$ 890,00 até dia 20 de maio de 2019

Para mais informações e para fazer as inscrições, acesse o site do evento: www.forumgdsul.com.br.

IDEAL entrega estudo para tornar Ipuaçu (SC) um Município Solar

Instituto IDEAL entregou o “Estudo do Potencial para Geração Solar Fotovoltaica – Município de Ipuaçu” nesta segunda-feira (25/02). O trabalho definiu a estrutura necessária para atender toda a demanda de energia da cidade por meio da energia solar. É o primeiro estudo finalizado no âmbito do projeto Municípios Solares.

O projeto Municípios Solares busca incentivar municípios a diminuir a conta de luz ao investir em energia solar. É uma iniciativa do IDEAL e da Federação Catarinense de Municípios (FECAM). “É com muita alegria que entregamos este estudo. É mais um passo deste projeto tão importante que vai levar economia aos municípios e, ao mesmo tempo, trazer impactos positivos ao meio ambiente”, afirmou o presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos.

Ipuaçu, no Oeste de Santa Catarina, tem de 6,8 mil habitantes e possui uma conta mensal de energia de aproximadamente R$ 11 mil. O estudo, de responsabilidade do engenheiro eletricista Cassio Maraffon, definiu quatro locais para receberem os sistemas fotovoltaicos: a Escola Básica Samburá, a Unidade Básica de Saúde (UBS), o Centro de Multiuso e a Creche Municipal. Juntos, os equipamentos fotovoltaicos somam 128,7 kWp ao custo de R$ 656.343,00. A expectativa é de que o investimento tenha retorno em sete anos.

A prefeita Clori Peroza acredita no sucesso do projeto. “É um projeto ousado para o município, mas que temos ideia de implementar. A ideia de investir em energia solar é, principalmente, em função da economia que vai gerar aos cofres públicos. Porque não há custos adicionais além do investimento para instalação”, afirmou.

O próximo passo é buscar os recursos para a implementação do projeto. “Caso não seja possível implementá-lo de uma vez, a ideia é implantar o projeto em etapas, iniciando pela estrutura mais barata e viável”, explicou a prefeita.

Publicado estudo sobre o potencial cooperativo para produção de energia limpa na América Latina com participação do IDEAL

Já está disponível o estudo “Potencial de las Cooperativas de Energías Renovables en América Latina − La Generación Distribuida en Brasil, Chile y México”, uma iniciativa da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV). O objetivo é que o conteúdo seja um ponto de partida para atividades que envolvam o tema energias renováveis no contexto do setor cooperativo. O estudo, que contou com a participação do IDEAL, pode ser acessado aqui.

O presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos, ressalta a importância do estudo. “É mais um passo na construção do conhecimento sobre energias renováveis e cooperativas, algo tão importante para a nossa América Latina. Foi uma exitosa parceria que se construiu com a DGRV e com a OCB (Organização das Cooperativas do Brasil)“.

Um dos pontos altos do trabalho são os quadros comparativos entre os três países. É possível observar, por exemplo, as similaridades e diferenças em relação a temas como política climática, marcos legais no setor energético, políticas e programas para o setor energético e características da Geração Distribuída (GD). Um dos dados mostra que no Brasil há nove cooperativas de GD, enquanto o México não possui nenhuma. No entanto, há 110 cooperativas no Brasil com GD (elas têm outras finalidades, mas geram a própria energia).

Outras informações sobre o estudo podem ser acessadas aqui.