Posts

1º Encontro Paranaense de Eficiência Energética (EPEE 2019)

O 1º Encontro Paranaense de Eficiência Energética (EPEE 2019) e a 1ª Feira Eficiência Energética (EXPO EPEE) serão realizado entre os dias 10 a 12 de Dezembro, em Curitiba (PR). Os eventos são realizados pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e organizados pelo Grupo FRG Mídias & Eventos.

O EPEE  possui apoio da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e da Companhia Paranaense de Energia (COPEL) e será direcionado tanto a empresas dos setores energético, comercial e industrial ou consultores profissionais da área de eficiência energética como a alunos, professores, servidores, pesquisadores e membros da comunidade interessados na temática e na economia de energia elétrica.

Durante o evento, a UFPR fará o lançamento da maior usina solar fotovoltaica do Paraná.

Para mais informações acesse o site: www.eletrica.ufpr.br/eficiencia/

Evento “Conexão de Cooperativas de Geração Distribuída” reuniu experiências nacionais em Florianópolis

O encontro “Conexão de Cooperativas de Geração Distribuída”, realizado no dia 07 de junho, no Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (Fotovoltaica-UFSC), foi um momento de troca de experiências entre representantes de seis empreendimentos brasileiros. Ao todo, 131 pessoas participaram do evento, seja presencialmente ou pelo Webinar (o evento foi transmitido ao vivo pela internet).

O presidente do Instituto IDEAL, Mauro Passos, ao dar as boas-vindas aos presentes, salientou a importância do tema para o instituto. Disse ainda que a energia solar é a cara do cooperativismo. “O melhor lugar para aplicar a energia solar é dentro do princípio e compreensão do que é o cooperativismo. Você junta pessoas e faz uma instalação. E é modular. Sempre brinco que é um grande lego. Você vai colocando os painéis conforme as condições”.

O evento foi promovido pelo IDEAL, Fotovoltaica-UFSC e Confederação Alemã de Cooperativas (DGRV). Contou ainda com o apoio da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH.

Estiveram presentes representantes da Cooperativa Brasileira de Energia Renovável (COOBER), Cooperativa Sustentável de Energias Renováveis (Cooper Sustentável), Cooperativa de Consumo de Energia (Enercred), Cooperativa de Geração Compartilhada (Compartsol), Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) e Cooperativa de Geração Compartilhada (Cogecom). As apresentações estão disponíveis para download  e também podem ser vistas no YouTube.

Na sua apresentação, Camila Japp, explicou que a DGRV é organismo que representa o cooperativismo alemão e que conta com um departamento internacional de fomento ao cooperativismo em diversas áreas do mundo, como Ásia, África e América latina. No Brasil, desde 2004 atua com cooperativas de energia renováveis.

A Alemanha tem um grande conhecimento na área. Há praticamente 900 cooperativas de energia renováveis naquele país. “A gente quer entender, das cooperativas brasileiras que já estão trilhando este caminho, o que está dando certo, o que não está dando certo, o que podemos fazer para ajudar, o que podemos fazer para elas crescerem, e qual é este caminho que podemos trilhar junto. A gente tem muito interesse nesse apoio”, disse.

Kathlen Schneider, diretora do Instituto IDEAL, pesquisadora do Fotovoltaica-UFSC e uma das organizadoras do evento, destacou a importância do encontro. “Foi muito importante para conectar as iniciativas pioneiras no Brasil de cooperativas de geração distribuída (GD) compartilhada, para que juntas elas possam se fortalecer e encontrar suporte para estruturar de maneira consolidada esse modelo democrático de geração de energia”.

De acordo com a diretora do IDEAL, muitas cooperativas relataram passar por dificuldades semelhantes no processo de criação e operação dos seus modelos. “Esse fato deixou claro quais as ações podemos dar prioridade, em conjunto, para consolidar e fortalecer o modelo de GD compartilhada por meio de cooperativas no Brasil.”, relatou Kathlen Schneider.

O encontro também serviu para compartilhar soluções. “O que alguma cooperativa apresentou como sendo uma grande dificuldade, outra já tinha encontrado alguma solução para essa mesma dificuldade relatada. Sendo assim, percebeu-se o grande potencial em conectar essas cooperativas, fortalecendo-as ao trabalharem em conjunto.”, explicou Kathlen Schneider.

As apresentações
– Abertura e boas-vindas – por Mauro Passos (IDEAL) e Kathlen Schneider (Fotovoltaica-UFSC/IDEAL e organizadora do evento)
– O cooperativismo no mundo e na Alemanha – por Camila Japp (DGRV e organizadora do evento)
– Caminhos e desafios para o cooperativismo de Geração Distribuída – por Marco Morato (OCB e organizador do evento)
– Cooperativa Brasileira de Energia Renovável (COOBER) – A primeira cooperativa de GD compartilhada do Brasil – Fonte: Solar Fotovoltaica – Localizada em Paragominas-PA – por Alan Melo (cooperado fundador da COOBER)
– Cooperativa Sustentável de Energias Renováveis (Cooper Sustentável) – Cooperativa de GD compartilhada – Fonte: Solar Fotovoltaica – Com uma pequena usina em Arcos-MG e outra em São José-SC – por Alex Lang (cooperado fundador da Cooper Sustentável)
– Cooperativa de Consumo de Energia (Enercred) – Cooperativa de GD compartilhada – Fonte: Solar Fotovoltaica – Localizada em Pedralva-MG – por José Otávio Bustamante (CEO da Enercred)
– Cooperativa de Geração Compartilhada (Compartsol) – Cooperativa de GD compartilhada – Fonte: Solar Fotovoltaica – Localizada em Araçoiaba da Serra-SP – por Guilherme Susteras (Diretor-Presidente da Compartsol)
– Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) – Cooperativa Rural que adotou o sistema de GD, de fonte solar fotovoltaica, para gerar energia e compensar na fatura de 28 unidades consumidoras de estabelecimentos da própria Coopercitrus que estão espalhados por São Paulo. Localizada em Bebedouros-SP – por Diego Branco (coordenador de energia fotovoltaica da Coopercitrus)
– Cooperativa de Geração Compartilhada (Cogecom) – Cooperativa de GD compartilhada – Fonte: Termelétrica de Resíduos Florestais – Localizada em Carambeí-PR – por Roberto Corrêa (Presidente da Cogecom)

Evento “Conexão de Cooperativas de Geração Distribuída” será realizado dia 7/06 em Florianópolis e terá transmissão pela internet

Promover a troca de experiências é objetivo do evento “Conexão de Cooperativas de Geração Distribuída”, que será realizado no dia 07 de junho, a partir das 9h, no Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (Fotovoltaica-UFSC), localizado no Sapiens Parque, em Florianópolis (SC). Os interessados podem participar presencialmente ou por meio do Webinar (transmissão pela internet).

Desde 2015, com a Resolução Normativa nº 687/2015 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), indivíduos podem se unir para gerar sua própria energia por meio de fontes renováveis. “Uma das formas de realizar essa geração de energia em grupo é por meio do cooperativismo, que tem como conceito ‘O que um não consegue sozinho, podemos conseguir juntos’”, explicou Kathlen Schneider, diretora do Instituto IDEAL, pesquisadora do Fotovoltaica-UFSC e uma das organizadoras do evento.

Desde a regulamentação da norma foram criadas oito cooperativas de geração distribuída compartilhada no Brasil, sendo que seis estarão presentes no evento. “Ainda existem muitas dúvidas de como viabilizar este modelo de geração compartilhada. No evento será a primeira vez que representantes dessas iniciativas pioneiras nacionais se reunirão para uma troca de experiências. Será uma grande oportunidade de conhecermos mais sobre esse modelo democrático de geração de energia para que possamos torná-lo cada vez mais e mais uma realidade aqui no Brasil”, afirmou Kathlen Schneider.

O evento é promovido pelo Instituto IDEAL, pelo Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (Fotovoltaica-UFSC) e pela Confederação Alemã de Cooperativas (DGRV). Conta com o apoio da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH.

PROGRAMAÇÃO
9:00 – Boas-vindas + Cooperativas de Geração Distribuída Compartilhada: O Contexto
Brasileiro (Mauro Passos e Kathlen Schneider – Instituto IDEAL / Fotovoltaica-UFSC)
9:05 – Caminhos e desafios para o cooperativismo de Geração Distribuída (Marco Morato – OCB)
9:10 – O cooperativismo no mundo e na Alemanha – cooperativas de geração de energia como principais atores da transformação energética (Camila Japp – DGRV)
9:15 – Cooperativa Brasileira de Energia Renovável – COOBER (Alan Melo)
9:25 – Cooperativa Sustentável de Energias Renováveis – Cooper Sustentável (Alex Lang)
9:35 – Cooperativa de Consumo de Energia – Enercred (José Otávio Bustamante)
9:45 – Cooperativa de Geração Compartilhada – Compartsol (Alexandre Bueno)
9:55 – Coopercitrus – Cooperativa de Produtores Rurais (Diego Branco)
10:05 – Cooperativa de Geração Compartilhada – Cogecom (Roberto Corrêa)
10:15 – Perguntas e respostas abertas para o público presente e participantes online
10:30 – Encerramento do Webinar

COMO PARTICIPAR

Pela Internet
Acesse o canal do FOTOVOLTAICA-UFSC clicando aqui.

Presencialmente
Faça a inscrição clicando aqui.

Seja um patrocinador do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica – Edição 2019”

O Instituto IDEAL e a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK-RJ) estão finalizando a sexta edição do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica – Edição 2019”. Até o dia 15 de maio, os interessados poderão patrocinar a publicação, que tem se consolidado como uma das mais importantes da área. O material tem se tornado referência para empresas, pesquisadores e o público que consome energia solar.

As cotas de patrocínio variam entre R$ 5 mil e R$ 20 mil. “Quem faz o patrocínio tem uma série de contrapartidas, ganhando destaque nos canais de comunicação que atingem o público alvo, os consumidores de energia solar. Além disso, os patrocinadores ajudam a incentivar o crescimento do setor”, avaliou a consultora do programa América do Sol Taynara Mighelão, uma das responsáveis pelo estudo. Para mais informações sobre as cotas de patrocínio, clique aqui. O estudo já conta com o patrocínio da Intersolar South America, Globaltek e ESS.

O Estudo, que é uma iniciativa do IDEAL e da AHK-RJ, tem o apoio da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD) e da maior feira do setor na América Latina, a Intersolar . Os dados preliminares serão divulgados no dia 5 e 6 de junho, durante o Fórum GD, em Florianópolis. O lançamento está programado para ser realizado durante a Intersolar, que ocorre entre os dias 27 e 29 de agosto.

Os resultados do estudo provêm de questionários enviados para mais de duas mil empresas cadastradas no banco de fornecedores, instaladores e projetistas do programa América do Sol. O estudo traz dados, por exemplo, sobre os preços dos sistemas instalados, tamanho dos sistemas e tempo de conexão à rede elétrica.

IDEAL participa de estudo sobre o potencial cooperativo para produção de energia limpa na América Latina

O Instituto IDEAL participou do estudo “Potencial de las Cooperativas de Energías Renovables en América Latina − La Generación Distribuida en Brasil, Chile y México”, uma iniciativa da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV). O objetivo é que o conteúdo seja um ponto de partida para atividades que envolvam o tema energias renováveis no contexto do setor cooperativo. O estudo pode ser acessado aqui.

Um dos pontos altos do trabalho são os quadros comparativos entre os três países. É possível observar, por exemplo, as similaridades e diferenças em relação a temas como política climática, marcos legais no setor energético, políticas e programas para o setor energético e características da Geração Distribuída (GD). Um dos dados mostra que no Brasil há nove cooperativas de GD, enquanto o México não possui nenhuma. No entanto, há 110 cooperativas no Brasil com GD (elas têm outras finalidades, mas geram a própria energia).

A DGRV tem o propósito de fomentar o desenvolvimento de cooperativas de energia em nível mundial. Neste contexto, o estudo buscou analisar o potencial de cooperativas de energia na América Latina. A ideia é dar respostas e recomendações para o avanço das atividades que a entidade realiza no setor energético.

O estudo contou com a participação de especialistas do Brasil, Chile e México. O IDEAL foi contratado por sua expertise no tema de energias, sobretudo renováveis, e foi representado pela jornalista e gestora de projetos, Andressa Braun. A coordenação da pesquisa foi de Camila Japp, da DGRV, e Marco Olivio Morato, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

No Chile, o estudo contou com a participação de Simon Heinken, da DGRV Paraguay, Daniela Andrea Zamorano Arias, do Instituto de Ecología Política (IEP) e Carlo Saavedra, da Red Genera (e investigador Asociado IEP). No México, o trabalho ficou por conta de Jasmin Renz, da DGRV México, e Flavia Tudela Rivadeneyra, do Ithaca Environmental.

“O estudo foi um grande esforço cooperativo, em consonância com o propósito do projeto: conhecer o estado da arte/desenvolvimento das cooperativas de/com geração distribuída, nos três países, e recomendar ações para o fomento do cooperativismo e da transição energética em direção a uma matriz continental mais limpa e sustentável. O intercambio foi profícuo e um país aprendeu muito um com o outro”, avaliou Andressa Braun .

Uma versão preliminar do estudo foi apresentado no Chile, no início de dezembro, no “Seminario Internacional sobre Generación distribuida y el potencial de cooperativas de energía em América Latina”. O objetivo foi reunir os principais stakeholders do setor, colocá-los em contato, aproveitar o momento de publicação de um avanço na lei de geração distribuída no Chile e realizar o intercâmbio entre os países, sensibilizá-los para a combinação importante e exitosa que é o cooperativismo para a geração de energia.

Projeto será apresentado em 10 cidades catarinenses

O projeto Municípios Solares, que tem o objetivo de promover a instalação de usinas fotovoltaicas (FV) nas cidades de Santa Catarina, definiu um calendário de encontros para apresentar o tema. O primeiro será realizado em Blumenau, dia 21/08 (terça-feira), às 8h30. No mesmo dia, mas a partir das 14 horas, o debate será em Itajaí.

O projeto Municípios Solares é uma iniciativa do Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas da América Latina (IDEAL) com o apoio da Federação Catarinense de Municípios (FECAM) e Quantum Engenharia. Serão 10 encontros que contemplarão todas as regiões do Estado (veja na tabela abaixo datas, locais e horários). Os eventos, direcionados a prefeitos, vereadores, secretários e trabalhadores das prefeituras, serão realizados em associações regionais de municípios.

O objetivo dos encontros é mostrar a importância e a viabilidade de investir na energia solar nas cidades. “Os prefeitos estarão tirando despesas do município e incorporando um equipamento ao patrimônio público. Fazendo uma conta preliminar, pensamos que o custo de instalação vai ser muito próximo das despesas de energia. Ou seja, estarão agregando patrimônio ao município sem onerá-lo”, afirmou Mauro Passos, presidente do IDEAL.

Passo seguinte, as prefeituras interessadas deverão procurar a FECAM para dar início aos estudos e definir custos e locais de instalação da usina solar.

CIDADE LOCAL DATA HORÁRIO
Blumenau AMMVI 21/08/18
(terça-feira)
8h30 às 11h30
Itajaí (AMFRI) 21/08/18
(terça-feira)
14h às 17h
Joinville (AMUNESC) 22/08/18
(quarta-feira)
14 às 17h
Araranguá (AMESC) 23/08/18 (quinta-feira) 14h às 17h
Rio do Sul (AMAVI) 04/09/18
(terça-feira)
14h às 17h
Lages (AMURES) 05/09/18
(quarta- feira)
8h30 às 11h30
Florianópolis (GRANFPOLIS) 06/09/18
(quinta-feira)
14h às 17h
São Miguel do Oeste (AMEOSC) 25/09/18
(terça-feira)
14h às 17h
Xanxerê (AMAI) 26/09/18
(quarta-feira)
14h às 17h
Videira (AMARP) 27/09/18
(quinta-feira)
14h às 17h

Seminário: programação preliminar está on line

Está on line a programação preliminar do 8° Seminário Energia + Limpa, um evento gratuito aberto ao público, que será realizado pelo Instituto IDEAL nos dias 7, 8 e 9 de junho, em Florianópolis, com apoio da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, Universidade Federal de Santa Catarina, Grupo Fotovoltaica-UFSC, WWF-Brasil e CELESC, além do patrocínio da Engie Energia e IESS Ideal Estudos e Soluções Solares. Para esta 8ª edição, renovamos ‘nosso olhar para o futuro’, parafraseando o presidente e fundador do IDEAL, Mauro Passos, em seu blog De Olho no Futuro.

Em 2017, pela primeira vez, teremos dois dias de evento na FIESC e outro de visita técnica ao Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da UFSC. ‘Energia e Mobilidade do Futuro’ tem sido o norte a nos guiar na preparação desta edição.

Entre outros especialistas, está confirmada a participação de Mirian Gonçalves, presidenta do “Instituto Direito e Democracia” e idealizadora do projeto “Curitiba Eco Elétrico”, além da Board Advisor da iCities, Margaret Mussoi L. Groff, realizadora de diversos projetos na área de mobilidade elétrica na Itaipu Binacional.

Também serão lançados os resultados preliminares do estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica” – edição 2017, uma iniciativa do Instituto IDEAL e AHK-RJ, e apresentado o case de sucesso “Bônus Fotovoltaico”, um programa da CELESC Distribuição, de fomento à instalação de 1.000 telhados solares no estado.

Marco Morato de Oliveira, da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), apresentará, entre outros pontos, a experiência de criação da primeira cooperativa de energia solar fotovoltaica do Brasil, localizada no estado do Pará. Rodolfo Pinto, da Engie Energia, abordará a iniciativa das comunidades solares.

Confirme sua participação no evento do Facebook, acompanhe as novidades e facilite seu credenciamento no primeiro dia do evento.

IDEAL na Intersolar South America

O Instituto IDEAL participará da feira e conferência da Intersolar South America  que ocorrem de 23 a 25 de agosto, no Expo Center Norte, em São Paulo-SP. O diretor do IDEAL e coordenador do Grupo Fotovoltaica/UFSC, Ricardo Rüther, dará as boas vindas na abertura do evento e participará também do painel “Pesquisa & Desenvolvimento Fotovoltaico no Brasil: situação e perspectivas”, que será realizado no dia 24/8, às 16 horas. Paula Scheidt, gerente de projetos do IDEAL/GIZ, integrará o Intersolar Study Program apresentando uma visão geral do mercado de energia solar no Brasil, no segundo dia da feira, a partir das 10 horas. É a primeira vez que este evento, gratuito e paralelo à conferência, é realizado no país. O propósito é reunir pelo menos 100 estudantes da Grande São Paulo.

Estudo “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída FV”

De forma inédita, os resultados preliminares do estudo anual do IDEAL “O Mercado Brasileiro de Geração Distribuída Fotovoltaica (FV) – Edição 2016” serão apresentados durante a conferência “Geração Distribuída – o impacto de novas diretrizes” (24/8, 14 horas), pela gerente de projetos do IDEAL/GIZ, Paula Scheidt. Nela, Paula destacará tendências e aspectos do desenvolvimento do mercado FV como preços dos sistemas e de equipamentos. Os dados foram fornecidos pelas empresas cadastradas no Mapa de Fornecedores do programa América do Sol, por meio questionário on line.

No estande do IDEAL na feira, o público também terá acesso a essas e outras informações, além de conhecer as possibilidades de participar e apoiar a edição 2017 do Estudo. Entre os respondentes da pesquisa, o IDEAL sorteou um ingresso gratuito para a conferência da Intersolar South America. A empresa vencedora foi a Solar dos Vales, do município de Coronel Fabriciano-MG. Para atender ao público internacional, o Estudo deste ano também será traduzido ao inglês como a edição de 2015 e graças à parceria estabelecida entre IDEAL e Câmara Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK-RJ). O lançamento da publicação será em outubro de 2016. Os patrocinadores que viabilizaram a realização do Estudo este ano são: SICES Brasil, Renovigi, Engie Solar, Intersolar South America, PHB, EBES, DYA Energia Solar e WEG.

Selo Solar: novas diretrizes facilitam o processo de solicitação

As diretrizes do Selo Solar, uma certificação para consumidores que consomem eletricidade a partir da geração fotovoltaica (FV), foram reformuladas com o propósito de facilitar o processo de solicitação do Selo e de avaliação do mérito. Agora temos duas categorias com regras próprias e específicas: Mercado Livre e Geração Distribuída. Desenvolvido pelo Instituto IDEAL, com o apoio da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ e KfW, o Selo Solar tem ainda, desde 2015, a chancela do WWF-Brasil. A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) é parceira da iniciativa na categoria Mercado Livre desde a sua criação, em 2012.

A categoria Geração Distribuída irá atender a consumidores residenciais, comerciais, rurais, estatais e industriais proprietários de um micro ou minigerador FV conectado à rede. Para eles, houve mudança no critério. A exigência agora é comprovar uma potência fotovoltaica instalada mínima, que varia conforme o subgrupo tarifário ao qual a unidade consumidora está classificada.

Para consumidores livres, especiais e autoprodutores, os critérios de consumo de energia solar seguem os mesmos. Estes só podem receber o Selo Solar se alcançarem um valor mínimo de energia consumida (em MWh por ano) por subgrupo tarifário, que constam nas diretrizes da categoria Mercado Livre.

Ao exigir apenas documentos digitais, todo o processo torna-se mais simples e ágil. A declaração de anuência, por exemplo, agora precisa ser enviada apenas eletronicamente, e não mais por correio ordinário. A relação de documentos, igualmente, é específica para cada categoria, sendo que para geração distribuída, os documentos também são claramente diferenciados para pessoa física e jurídica.

Outra mudança que agilizará os trâmites do processo é a determinação de prazos. Os solicitantes terão um tempo máximo para responderem às dúvidas que surgirem no processo de avaliação e, o mais importante, para encaminhar a documentação depois de preencherem o formulário online. Essa deve estar completa e em um único email (arquivos zipados ou em um PDF que reúna a todos). A análise pelo IDEAL só iniciará diante da confirmação do recebimento da documentação completa.

Igualmente, as novas diretrizes se adequaram às alterações na Resolução Normativa 482 da ANEEL com a inclusão de critérios para as novas modalidades de autoconsumo remoto e geração compartilhada na Categoria Geração Distribuída Outro ponto muito importantes está relacionado ao tempo mínimo de funcionamento do gerador FV: o sistema deve estar em funcionamento por, pelo menos, seis (6) meses, em ambas as categorias.

Diretrizes Mercado Livre
Diretrizes Geração Distribuída

Especialistas apontam desafios para ganhar escala em geração distribuída no Brasil

Se em 2015 o perfil do Seminário Energia + Limpa foi mais técnico e conceitual para debater as alternativas e desafios do setor energético como um todo, a 7ª edição do evento, promovida pelo Instituto Ideal e Universidade Federal de Santa Catarina, ganhou uma abordagem mais prática. Essa foi a conclusão do presidente do Instituto, Mauro Passos, após a realização de dois painéis e de um workshop com especialistas nacionais para discutir caminhos para a popularização da geração distribuída. “A pauta das energias alternativas é relevante não só para o Brasil, mas para o mundo todo. Especificamente aqui, a expansão do mercado passa pela conquista de maior escala que torne o cenário mais competitivo”, observou Passos.

Diante de um público de mais de 200 pessoas, entre estudantes, pesquisadores e empresários do setor, o secretário executivo da Organização Latino-Americana de Energia (OLADE), Fernando Ferreira, alertou: há aproximadamente 30 milhões de pessoas sem acesso à energia na região da América Latina e Caribe. Para Ferreira, trata-se, portanto, de uma oportunidade valiosa para a expansão do mercado das energias alternativas. “Essa modalidade passou a ser não só um negócio sustentável ou ecologicamente correto, mas principalmente vantajoso financeiramente. Promover um espaço de debate e de troca de conhecimentos e experiências, como neste Seminário, é muito importante para disseminar essa cultura”, afirmou.

A abertura do evento contou ainda com a participação do deputado estadual Dirceu Dresch (PT), representando a Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina e de representantes da Engie Solar, Caixa, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Quantum Engenharia, patrocinadores do encontro. Também estivam representadas as demais entidades apoiadoras: CELESC, WWF Brasil, Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da GIZ, e FIESC.

Incentivos à mobilização

Na ocasião, o presidente do Ideal e o coordenador de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, assinaram um acordo para reforçar a parceria entre as duas entidades para a continuidade do projeto Selo Solar. Segundo a gerente de projetos do Ideal, Paula Scheidt, as novas diretrizes do selo, que certifica e reconhece empresas, residências e instituições públicas e privadas que investem em eletricidade solar, devem ser apresentadas ainda em julho deste ano.

Os participantes do Seminário puderam conhecer ainda, em primeira mão, o vídeo institucional do América do Sol, maior programa de disseminação da energia solar fotovoltaica no Brasil. O audiovisual é uma realização do cineasta socioambiental Todd Southgate e da jornalista Andressa Braun, assessora de comunicação do IDEAL. O filme tem versões legendadas ao espanhol e ao inglês, e conta com o apoio da Eletrosul Eletrobrás, Organização Latino-Americana de Energia (OLADE) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Assista aqui.

Inspirar pelo exemplo

Destinado a apontar caminhos para a popularização da geração distribuída no setor empresarial, o primeiro painel do evento foi mediado por Mauro Passos e contou com a participação do presidente da Câmara de Energia da FIESC, Otmar Josef Müller; do gerente de planejamento do BRDE, Felipe de Castro Couto; e do presidente da Engie Solar, Rodolfo de Sousa Pinto. Müller destacou que a disseminação das energias renováveis é uma pauta importante para a indústria catarinense pelo ganho de competitividade que pode ser gerado, e indicou a expansão de linhas de crédito e isenção do ICMS como uma das principais bandeiras da entidade, neste contexto.

Neste painel, também foram apresentadas as linhas de financiamento disponíveis para projetos de geração distribuída e desafios de disseminação. O presidente da Engie Energia apresentou um histórico da evolução da energia solar no Brasil e destacou que focar no público alvo é fundamental para impulsionar as instalações, tanto no mercado privado, como no setor empresarial. “Há diferentes modalidades de conexão à rede de distribuição. É preciso gerar entendimento sobre isso, para que o investimento seja cada vez mais vantajoso. Necessitamos, contudo, que os pequenos usuários tenham condições tão favoráveis quanto os grandes empreendimentos”, disse.

O segundo painel, focado na popularização da geração distribuída nas cidades e mediado pelo Coordenador de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, reuniu o especialista em Regulação da ANEEL, Marco Aurélio Lenzi Castro; o assessor de Captação de Recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Daniel Chang; a assistente de Projeto da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV), Camila Japp; e o analista de Gerência Técnica da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Marco Olívio Morato de Oliveira.

Castro apresentou as principais mudanças da Resolução Normativa nº 482/2012 que criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica. “A disseminação da geração distribuída é, sem dúvidas, um movimento de baixo para cima, em que a iniciativa privada deve buscar seu protagonismo sem depender apenas do governo”, salientou. Entre os pontos destacados pelo representante do MCTI, estão os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), proposta aprovada pela ONU, em setembro de 2015, como uma espécie de evolução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM); e que traz a energia limpa e acessível como uma meta.

O potencial das cooperativas como consumidoras e também produtoras de energias renováveis foi consenso entre os representantes da DGRV e da OCB. Para Camila, o modelo de negócio característico das cooperativas favorece não só o desenvolvimento regional, mas principalmente o empoderamento dos cidadãos, aspecto fundamental para a popularização do fomento às renováveis. Segundo Oliveira, no contexto brasileiro, o custo dos equipamentos, a escassez de mão de obra qualificada, a oscilação do mercado e a falta de cultura de investimento em projetos de longo prazo são alguns dos desafios deste processo de expansão do setor.

Workshops

A realização de workshops foi uma das novidades desta 7ª edição do Seminário Energia + Limpa. Com moderação do professor Ricardo Rüther, a primeira parte da atividade focou em normais técnicas e procedimentos. Marco Aurélio Lenzi Castro apresentou um passo a passo para ter um sistema FV conectado à rede; e o engenheiro da Celesc Thiago de Oliveira Cassel indicou os padrões de conexão da distribuidora. Já o engenheiro Ruy Tiedje, da Quantum Engenharia, fez um comparativo da evolução da geração distribuída em diferentes regiões do país e salientou que conquistar a confiança do consumidor é um dos principais desafios para a expansão deste mercado. “É fundamental investir nos processos de pós-venda, promovendo maior diálogo entre consumidores, concessionárias e distribuidora, principalmente para acompanhar a alteração do perfil de consumo após a instalação do sistema de geração.”

A última etapa do workshop trouxe para a pauta um dos temas mais palpitantes, quando o assunto é a popularização da geração distribuída: o retorno financeiro sobre o investimento. O CEO da Solar Energy do Brasil, Hewerton Martins, afirmou que é preciso consolidar um processo educacional para que os consumidores se tornem geradores da sua própria energia, o que passa por aspectos como a percepção do consumidor em relação à conta de luz e ao conceito do autoconsumo. Já o diretor de Negócios da Sicoob Ecocredi, João Corrêa Júnior, compartilhou a experiência na construção da nova sede administrativa da cooperativa, localizada em Três Coroas/RS. A construção se destaca pelo sistema de geração de energia. A edificação conta com 184 placas fotovoltaicas, em 10 arranjos, que devem gerar, em média, 69.030 kWh/ano, para atender 50% da demanda de energia no local. O investimento foi em torno de R$ 300 mil e o prazo de retorno é de oito anos, em média.